Docente da Unesp de Botucatu coordena estudo mundial que investiga impactos psicológicos da Covid-19

Unesp integra consórcio de universidades do projeto; todos interessados podem participar

Um estudo em desenvolvimento por pesquisadores de 26 países pretende investigar os impactos psicológicos que a pandemia da Covid-19 está causando nos profissionais da saúde e na população em geral. A Unesp integra o consórcio de universidades do projeto. Os resultados podem colaborar na definição de medidas que melhorem o bem-estar emocional e o ajuste psicológico da população durante situações de crise como a que estamos passando neste momento.

A participação brasileira é coordenada pela Unesp, sob responsabilidade do professor Adriano Dias, da Faculdade de Medicina de Botucatu. Até agora a equipe conseguiu pouco menos de duas mil respostas ao questionário. A meta é ter pelo menos dez mil. O questionário, que pode ser respondido por qualquer pessoa, desde que acima dos 18 anos, está disponível em: https://cutt.ly/IMPACT_COVID-19_BRASIL.

O docente do Departamento de Saúde Pública no câmpus de Botucatu explica que a pesquisa irá envolver a população em geral, mas que haverá um recorte específico para profissionais da saúde. “No caso desses profissionais, a pesquisa tem por objetivo avaliar o papel do nível de envolvimento e de comprometimento com o trabalho como um possível fator mediador do impacto psicológico dessa situação na crise. Ou seja, o trabalho pode agir de maneira a atenuar o efeito ou a comprometer as características psicológicas dessas populações”, aponta.

Os pesquisadores envolvidos com o projeto argumentam que ao vivenciarem medo intenso e prolongado, situações de enorme estresse e muitas vezes estigmatização, profissionais de saúde e a população em geral podem sofrer uma deterioração de sua saúde mental durante epidemias. Tal situação inclusive foi identificada em epidemias anteriores, como a SARS ou o Ebola.

O Brasil, por meio da Unesp, foi o segundo país a ingressar no grupo de colaboradores para a pesquisa, que foi idealizada na Espanha pelas Universidade de Huelva e Universidad Loyola Andalucia. Atualmente são 26 países envolvidos no levantamento em diferentes etapas do processo.

Em comum está o fato de que todos os participantes irão aplicar o mesmo questionário em suas populações, e o número de países ainda pode crescer à medida que mais pesquisadores se interessem pelo tema. “A pesquisa certamente vai ajudar a entender e estabelecer as indicações mais adequadas para proteger e facilitar a recuperação do bem estar psicológico dessas pessoas”, explica o professor, que prevê a conclusão global da pesquisa para o segundo semestre de 2021, mas que resultados locais podem sair antes, dependendo do número e rapidez das respostas aos questionários.

O professor aponta que na China, onde começou a epidemia, os primeiros estudos apontam para a necessidade de proteger a saúde mental de profissionais da saúde e da população em geral. “De maneira geral, foram observados impactos importantes na saúde mental dessas pessoas, especialmente na questão da ansiedade”, destaca.

Participam do projeto de pesquisa, até o momento Espanha, Brasil, Portugal, Itália, México, El Salvador, Equador, Colômbia, Peru, Paraguai, Argentina, Chile, Cabo Verde, Angola, EUA, Canadá, Reino Unido, França, Alemanha, Cuba, Venezuela, Bolívia, Panamá, Nicarágua, Costa Rica e Porto Rico.

QUESTIONÁRIO ONLINE
Uma pesquisa simultânea em 26 países irá investigar os impactos psicológicos da pandemia do Covid-19 nos profissionais da saúde e na população em geral. A iniciativa internacional tem a Unesp como parceira no Brasil.

O trabalho está sendo liderado pelo professor Adriano Dias (FMB) e depende da colaboração dos cidadãos para responder ao questionário online a seguir:

https://cutt.ly/IMPACT_COVID-19_BRASIL