Botucatu poderá ter Hospital de Campanha para atender pacientes com Coronavírus

O Município de Botucatu poderá ter em breve um hospital de campanha para atendimento de pacientes contaminados com Coronavírus. A informação foi dada pelo Secretário Municipal de Saúde, André Spadaro, durante entrevista ao jornal Bom Dia Criativa, da Rádio Criativa, na manhã desta segunda-feira, 20.

“Os leitos aqui em Botucatu podem vir a ser ampliados, se houver necessidade. Já existe esse planejamento do HC com a Diretoria Regional de Saúde, com a Secretaria de Estado, envolvendo o Hospital Estadual e eventualmente o Cantídio. A prefeitura já vem estuando espaços para ampliar o número de leitos com uma espécie de hospital de campanha, se houver necessidade. Ainda hoje eu visitei alguns locais com o prefeito Pardini, e ainda hoje deveremos ver mais um local para que se tenha essa possibilidade, se houver necessidade”, disse o secretário.

“Nós esperamos que não seja necessário. Nossa expectativa é que o isolamento social atinja uma taxa adequada que permita que os casos graves sejam absorvidos pelo HC e pela Unimed, mas com essa indefinição que vivemos, já que a situação que é vivida hoje na capital paulista pode ser reproduzida no interior daqui a duas ou três semanas, estamos trabalhando com todas as alternativas”, completou Spadaro.

Essa estrutura, ainda segundo o Secretário, deve contar com algo em torno de 50 novos leitos, se necessário. Uma das ideias seria criar essa estrutura um local já existente, como por exemplo o antigo Hospital Sorocabana, que poderia ser adaptado para receber de 40 a 50 leitos de UTI.

Hoje a cidade conta com aproximadamente 70 leitos, entre Hospital das Clínicas e Unimed. Vale lembrar que esses leitos já existentes são disputados por outras enfermidades, não sendo exclusivos para Coronavírus.

A necessidade de um novo local para atendimento de vítimas de Covid-19 se acentua por conta da vinda para o complexo hospitalar de Botucatu de pacientes de outras regiões e capital, que já não estão dando conta de atender seus próprios pacientes.

“Hoje nós já temos pacientes em Botucatu que são de fora do raio de cobertura do HC e o Estado tem entendido isso, que se houver necessidade, os nossos leitos serão utilizados por pacientes de outras áreas do estado. Embora exista uma dificuldade logística nisso, como transportar um paciente em estado crítico, de São Paulo para Botucatu, em uma ambulância, não é tão simples. Mas, o HC trabalha com essa perspectiva de um fluxo externo de vítimas”, finalizou.