Após resultado positivo em farmácia, teste PCR de homem que reclamou de atendimento no PSA é negativo

Em mais um episódio do caso que começou no final de semana passado no Pronto Socorro Adulto de Botucatu, saiu nesta quarta-feira, 24, o resultado do teste oficial da Central Coronavírus de Botucatu do homem que reclamou após ter sido colocado em uma sala com pacientes positivos para Covid no PS.

Mesmo tendo revelado um teste positivo feito em farmácia, Felipe Maykon de Oliveira Vicente Santana não teve Covid-19, segundo o teste PCR, o mais eficaz segundo os médicos. A família dele também foi testada e felizmente ninguém testou positivo. No começo da semana o homem fez um segundo teste de farmácia, que também apontou resultado negativo.

Felipe, de 29 anos, gravou um vídeo reclamando da forma como foi atendido no Pronto Socorro. Como estava com sintomas da doença, procurou uma farmácia e testou positivo para Covid-19 no domingo, 21. A informação foi confirmada por ele mas na  segunda-feira ele disse que não estava convencido com o resultado.

“Eu fui em uma farmácia, fiz o teste e deu como se eu tivesse reagente. Porém, eu não levei em consideração pela fala da atendente que fez o teste, ela me falou que o teste é muito falho. Teria que aparecer cor nos dois “pauzinhos” do resultado, mas o segundo apareceu muito claro, não apareceu nítido como o primeiro. A moça falou que pode ser uma falha do teste”, disse Felipe.

Ele ainda disse que a atendente da farmácia informou que teria que constar positivo no resultado, porque o segundo “pauzinho” apareceu, mesmo que com coloração fraca e orientou a ele esperar o resultado de um segundo teste, feito pela Central Covid de Botucatu.

Após a repercussão, Felipe reforçou o pedido cautela na avaliação e julgamento das pessoas, especialmente pelas redes sociais.

Fui atacado por inúmeras pessoas no Facebook. As pessoas estão invertendo, eu não critiquei o profissional da saúde, eu ataquei simplesmente o procedimento que está sendo tomado nos hospitais. Se eu quisesse atacar algum profissional, eu teria dado o nome. Eu quis dizer que o procedimento é arriscado sim, é um procedimento que querendo ou não transmite o vírus de qualquer forma.  Porque a palavra já diz, suspeito, por mais que eu cheguei com sintomas gripais, sem o teste da central do Covid eu sou suspeito e colocar pessoa suspeita com pessoas positivos é errado, foi isso que eu quis dizer. Até médico que estava lá dentro, que eu não citei o nome também para eles não sofrer retaliação,  disse que o procedimento é um absurdo. Só que infelizmente esse procedimento veio do Hospital das Clínicas, vem da Superintendência deles lá.  As pessoas estão achando que eu tô atacando as pessoas da central da saúde, do funcionário da saúde, mas não é isso não”, explicou Felipe. 

Relembre o caso

Na noite deste sábado, dia 20, um vídeo sobre o atendimento no Pronto Socorro Adulto que rodou as redes sociais e grupos de WhatsApp causou polêmica. Nele, um homem de 29 relata que procurou a Unidade localizada na Vila Assumpção para atendimento e foi colocado em uma sala junto com outros pacientes.

O problema é que no vídeo, que ele chama de alerta e desabafo, diz que nesta mesma sala conversou com um paciente que estaria positivo para covid, ou seja, segundo ele, pacientes com outros problemas de saúde estariam sendo colocados em uma mesma ala que pessoas contaminadas.

“Eu fui por que tenho problema de amígdalas. Uma vez por ano eu tenho uma infecção nas amígdalas, então, estou com as amidalas inflamadas. Tive um pouco de febre, mas sei que não estou com Covid e mesmo sem saber se eu estava ou não, eles me colocaram  na mesma sala com pessoas que estavam positivas para Covid e eu poderia ter pegado, por irresponsabilidade do pronto socorro”, disse ao Acontece, Felipe Maykon de Oliveira Vicente Santana.

O paciente diz que não quis ficar no PS para receber o atendimento e foi para seu veículo gravar o vídeo. O Pronto Socorro Adulto é administrado pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu. O local passou a atuar recentemente com leitos de emergência para tratar pacientes com Covid-19.

O outro lado

Procurado pelo Acontece Botucatu, o Hospital das Clínicas, que faz a gestão do PS junto com a Prefeitura, diz em nota que em situações excepcionais o paciente com suspeita de COVID-19 pode aguardar sua consulta em um mesmo local com outros pacientes suspeitos por um curto período de tempo, devidamente paramentado, utilizando máscara cirúrgica tripla e mantendo a distância.

O HCFMB também afirmou que o quadro descrito pelo paciente no vídeo preocupa, pois os sintomas são compatíveis de COVID e o mesmo foi embora sem testar.

Confira abaixo a nota enviada pelo HCFMB

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) vem a público esclarecer sobre o vídeo postado nas redes sociais na noite de ontem, 20, onde um paciente, ao procurar atendimento no Pronto Socorro Adulto (PSA), passou pela triagem apresentando quadro compatível com síndrome gripal, sendo então encaminhado à sala de isolamento como caso suspeito de COVID19.

Nesta sala, o paciente que gravou o vídeo alegou uma conversa com um outro paciente que aguardava atendimento e dizia ser caso positivo. Sem qualquer pergunta ou orientação da equipe, evadiu-se do local sem passar por consulta.  

O quadro descrito pelo paciente no vídeo nos preocupa, uma vez que, mesmo com sintomas compatíveis de COVID-19, este não passou por atendimento, não foi testado e provavelmente não está em isolamento, podendo colocar não só a sua saúde como a de outras pessoas em risco, por não ter tomado a conduta correta. 

Sabemos que estamos passando pelo pior momento da pandemia na nossa cidade, o que leva uma alta procura por atendimento em nosso PSA. 

Neste momento, todos os pacientes sintomáticos são considerados suspeitos de COVID-19, o que acarreta em uma sobrecarga estrutural, já que não há espaço suficiente para isolar todos os considerados suspeitos. 

Em situações excepcionais como esta, o paciente com suspeita de COVID-19 pode aguardar sua consulta em um mesmo local com outros pacientes suspeitos por um curto período de tempo, devidamente paramentado, utilizando máscara cirúrgica tripla e mantendo a distância. Esta medida é indicada pela Comissão de Controle de Infecção relacionada à Assistência (CCIRAS) do HCFMB em casos de extrema necessidade e embasada nos protocolos do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde do Estado.  

Estamos avaliando criteriosamente a situação relatada. Sabemos que estamos longe do atendimento ideal, mas seguimos com o nosso compromisso de não medir esforços para prestar assistência à todos os pacientes que precisam de atendimento. Pedimos a compreensão de todos neste momento crítico. 

Atenciosamente, 

Assessoria de Imprensa do HCFMB

Desabafo de um médico

Após a repercussão do caso, um médico que trabalha no PS publicou um vídeo de desabafo sobre o caso. Assista: