Sem bancos após explosões, Pardinho cria rodízio para servidores viajarem a cidades vizinhas

 

Ônibus que vai para Botucatu ficou lotado de moradores de Pardinho após a cidade ficar sem agências bancárias (Foto: Arquivo pessoal )

Pardinho ainda sofre os efeitos do ataque de criminosos a suas duas únicas agências bancárias, no domingo passado. Além do susto com as explosões e os tiros disparados contra uma base da PM, a população agora sente os efeitos de não contar mais com agências bancárias na cidade.

Por isso, a prefeitura da cidade com pouco mais de 6 mil habitantes adotou uma espécie de “rodízio” para que seus servidores possam se dirigir a cidades vizinhas para fazer serviços bancários como saque de salário e pagamentos.

Bruno Eburnio trabalha na tesouraria da prefeitura e foi liberado por meio período para poder ir para Botucatu. “São cerca de 400 funcionários na prefeitura e imagina todo mundo ter que viajar para fazer isso. A gente espera que se resolva antes de 30 dias.”

Um transtorno que a prefeitura está tentando amenizar. “A gente está liberando aos poucos, alguns vão na parte da manhã, outros na parte da tarde, no entanto, nenhum setor da prefeitura está sendo fechado. Estamos fazendo esse rodízio para que os funcionários possam fazer os serviços bancários”, explica Olívio Gloor, chefe de gabinete da prefeitura.

Foto: Reprodução / TV TEM

A principal opção dos moradores de Pardinho tem sido viajar cerca de 30 quilômetros até Botucatu, em um trajeto de aproximadamente 50 minutos, para fazer os serviços bancários. Isso fez com que o ônibus intermunicipal ficasse lotado em vários dias durante a semana. “Eles tiveram até que abrir a ventilação do ônibus de tanta gente que tinha”, reclamou uma das passageiras.

Em nota, tanto Santander como Bradesco não deram uma previsão de reabertura de suas agências, mas disseram que estão trabalhando para reestabelecer o atendimento o mais rapidamente possível.

Ação criminosa

Os criminosos fizeram os ataques às agências em sequência, na madrugada de domingo (5). Depois ainda atingiram com tiros uma base da Polícia Militar que fica a 100 metros de uma das agências. No momento, havia três policiais no local. Eles pediram reforço e ninguém ficou ferido.

De acordo com a PM, os criminosos estavam fortemente armados com metralhadoras e fuzis. Além disso, usaram dinamite para explodir as agências.

Na segunda-feira (6), a PM deteve dois suspeitos de participação nos ataques, mas um deles foi liberado após prestar depoimento. O suspeito que ficou preso possui ficha criminal e é morador de Pardinho.

Fonte: Portal G1