Presos do CPP1 de Bauru estão isolados após visita de pessoa com coronavírus

O secretário de Administração Penitenciária de São Paulo (SAP), coronel Nivaldo Restivo, afirmou que um grupo de presos de penitenciária em Bauru está isolado e que um servidor do Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário, na capital paulista, está com suspeita de coronavírus. Outro servidor, que atua distante dos presos e dos presídios, também está em isolamento por suspeita de coronavírus, nesta quinta-feira (19).

De acordo com a SAP, uma visitante do Centro de Progressão Penitenciária I “Dr. Alberto Brocchieri” de Bauru apresentou o quadro de infecção por coronavírus. “Diante da situação a visitante avisou a unidade, pois havia tido contato recente com o preso”, diz a nota.

“Sendo assim, mesmo o reeducando se apresentando assintomático, ele e demais presos do pavilhão em que ele se encontra ficaram isolados. A equipe de saúde da unidade está monitorando constantemente os reeducandos”.

Segundo o secretário, o recente cenário de aumento de casos de coronavírus em São Paulo ainda não sobrecarregou as enfermarias dos presídios.

“Não há absolutamente nenhuma sobrecarga. Nós não temos nenhum caso no sistema prisional, quer seja de preso, quer seja de funcionário, de diagnóstico de coronavírus. Nós tivemos recentemente dois casos em Franca, de presos que tiveram sintomas, mas um deles foi de tuberculose e outro com diagnóstico de pneumonia, sem relação com a Covid-19”, disse o secretário ao G1.

Restivo afirmou que os protocolos estão sendo seguidos. “É natural que todas as pessoas que apresentem algum sintoma fiquem isoladas. Esse é o procedimento que estamos adotando em relação a servidores, em relação a presos. Em relação a população geral é a mesma orientação”, disse.

O Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (Sifuspesp) divulgou uma nota nesta quinta-feira que “um servidor do Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário, localizado na Capital e que recebe um número elevado de presos para atendimento, é o primeiro caso confirmado de coronavírus no sistema prisional paulista.”

Restivo rebateu a afirmação. “Tomamos conhecimento da irresponsabilidade da divulgação dessas informações. Repito, o próprio secretário de Saúde atesta que não há nenhum caso dessa enfermidade no sistema prisional. O Sifupesp diz que houve um óbito, na verdade foi um óbito por edema pulmonar sem nenhuma relação com consequências dessa doença. É uma informação irresponsável e que leva pânico ao sistema e não contribui com a resolução do problema.”

O sindicato afirmou ainda que “há suspeita de contágio de um detento de um dos Centros de Detenção Provisória (CDP) de Pacaembu, no interior paulista”.

O secretário voltou a afirmar que “não há nenhum diagnóstico de nenhum preso e de nenhum funcionário com o coronavírus. Todos aqueles que tem suspeita de alguma enfermidade, todos eles estão em isolamento, seguindo as recomendações técnicas dos órgãos de saúde.”

“Eles citam o servidor do complexo hospitalar e o servidor está em isolamento, temos um servidor aqui na secretaria que também é suspeito, mas a suspeição decorre de sintoma de gripe, que pode ser qualquer outra enfermidade, é prematuro afirmar que é coronavírus”, disse Restivo.

Veja íntegra da nota da SAP

“A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) esclarece que três servidores da Pasta apresentaram sintomas de gripe e ainda aguardam laudos de exames. Os servidores pertencem ao Centro de Detenção Provisória I de Pinheiros e Centro de Detenção II de Pacaembu e ao Centro Hospitalar Penitenciário. Ressaltamos que na Penitenciária “AEVP Cristiano de Oliveira” de Flórida Paulista, um funcionário, por precaução, permanece em sua residência por ter reportado à direção da unidade que teve contato recente com uma pessoa estava com o coronavírus. Até o momento, ele não apresenta quaisquer sintomas.”

Fonte: Portal G1