Prefeito recém-eleito em eleição suplementar é cassado em Anhembi

Justiça Eleitoral entendeu que Lindeval Augusto Motta, o Motinha (PP), cometeu abuso de poder político enquanto ocupou o cargo de forma interina. Decisão é em primeira instância e cabe recurso.

O prefeito eleito de Anhembi (SP) Lindeval Augusto Motta, o Motinha (PP), teve sua candidatura cassada nesta sexta-feira (8) pela Justiça Eleitoral. A decisão acontece apenas cinco dias após ele vencer as eleições suplementares realizadas no último domingo (3) na cidade.

A decisão, que também atinge o vice da chapa, Alexandro da Silva, o Alex Lambari (PTB), é em primeira instância e ainda cabe recurso. Procurado pelo g1, Motinha não retornou as ligações.

Com a decisão da juíza eleitoral Larissa Gaspar Tunala, Motinha fica inelegível por oito anos e terá de pagar uma multa de R$ 53 mil. A decisão também determina que os autos sejam enviados para que o Ministério Público tome medidas nas esferas civil e criminal.

O prefeito é acusado de abuso de poder político por usar nomeações em benefício da sua candidatura enquanto ocupava de forma interina a prefeitura de Anhembi. A decisão também apontou abuso de autoridade e captação ilícita de votos.

Os eleitores de Anhembi tiveram que voltar às urnas no último domingo porque o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impediu a posse do prefeito reeleito no ano passado para o 2º mandato, Miguel Machado (PSDB), porque ele havia sido cassado por improbidade administrativa.

Motinha, que completou 51 anos no dia em que venceu as eleições suplementares, já exercia o cargo de prefeito interino de Anhembi. Ele assumiu a cadeira na condição de presidente da Câmara de Vereadores.

Fonte: G1