Polícia Civil investiga suspeita de descarte irregular de material hospitalar em Itatinga

 

Lixo hospitalar teria sido descartado de forma irregular em Itatinga — Foto: Arquivo pessoal

A Polícia Civil investiga a suspeita de descarte irregular de material hospitalar em uma usina de lixo desativada em Itatinga (SP). A denúncia foi feita por moradores e pelo vereador de Botucatu, Abelardo Costa Neto, que publicou um vídeo nas redes sociais mostrando a situação.

Segundo as informações da ocorrência, os moradores de Itatinga encontraram materiais hospitalares descartados a céu aberto na tarde deste sábado (20).

A Vigilância Sanitária de Itatinga fiscalizou o local por volta das 16h do domingo (21) junto com equipes da Diretoria de Meio Ambiente, GCM e Polícia Militar, mas de acordo com Sergio Bicicchi, responsável pela pasta, nenhum lixo hospitalar na área.

No entanto, ainda segundo Bicicchi, às 17h30 a GCM entrou em contato com ele informando que um morador da cidade havia encontrado o material. Então, a Vigilância Sanitária e a Diretoria do Meio Ambiente se dirigiram novamente ao local com apoio da PM e da GCM e desta vez, encontraram o material na área que já tinham vistoriado.

Diante da divergência, a Polícia Militar acionou a Perícia Técnica de Botucatu (SP), que esteve no local para tirar as fotos para a investigação.

Os peritos também tiveram acesso ao vídeo publicado nas redes sociais pelo vereador de Botucatu denunciando o caso, para saber se o local do vídeo é o mesmo do local onde os materiais estavam.

Nas fotos e vídeo feitos, é possível ver embalagens de itens hospitalares. Em alguns deles, o número de descrição, data de fabricação e de validade, mostram que os itens não estão vencidos. Inclusive a descrição de um dos itens que foi descartada se trata de um tubo corrugado (traqueia em pvc), utilizado em dreno e balões de anestesia.

A Vigilância Sanitária informou que nesta segunda-feira (22) entrou em contato com a empresa que fabricou o produto, para solicitar a rastreabilidade dos materiais.

Depois do ocorrido, o Hospital de Itatinga, por meio da Diretoria Clínica, informou que o material mostrado nas imagens não é do hospital e vai levantar as últimas notas de compra para comprovar essa versão.

Fonte: Portal G1