Plantas aquáticas e lixo cobrem Rio Tietê e provocam prejuízos em Anhembi

Foto: TV TEM/Reprodução

O trecho do Rio Tietê que passa por Anhembi (SP) está tomado por plantas aquáticas e muito lixo. A situação representa prejuízo para os pescadores e empresários da região.

Os aguapés tomaram conta do boa parte do espelho do rio e o problema tem causado muitos transtornos, principalmente para quem depende do manancial para sobreviver.

Em um porto de areia que funciona na cidade, os tratores estão parados há dias e já não há funcionários trabalhando. Segundo a empresária Elaine Machado Marchi, dona do negócio, o estoque de areia já está no fim e o porto corre o risco de fechar as portas. Até agora, o prejuízo semanal é estimado em R$ 52 mil.

Além do transtorno aos empresários, a vegetação em excesso também vem represando lixo. Os moradores acreditam que os pilares de sustentação da nova ponte que está sendo construída no local ajudam a segurar o lixo.

A combinação de aguapés e de lixo cobrindo o Rio Tietê é um problema para os pescadores, que não conseguem se deslocar com seus barcos.

A diretora de Meio Ambiente de Anhembi, Bruna Cristina Rosato, diz que a prefeitura não pode e nem tem recursos próprios para realizar a limpeza do Rio Tietê, mas que está cobrando as autoridades responsáveis.

Segundo ela, a preocupação da prefeitura é porque dentro de 50 dias acontece na cidade a Festa do Divino, evento tradicional em que as embarcações vão para o rio e que atrai muitos turistas.

Outro lado

Em nota, AES Tietê, concessionária de geração de energia elétrica, informou que “reconhece o seu papel como uma das usuárias do recurso hídrico e que atende a todas as condicionantes estabelecidas pelo órgão ambiental para desenvolvimento de suas atividades”.

A empresa de geração de energia diz ainda que “não possui poder de polícia sobre as fontes de poluição do Rio Tietê”.

O Grupo Agis, responsável pela construção da ponte, não quis se pronunciar sobre o caso.

Fonte: Portal G1