Hospital de São Manuel adquire tanque com 5 mil litros de oxigênio

Em meio à pandemia, investimentos tiveram aumento de R$ 139 mil ao mês se compararmos ao ano passado

O Hospital da Casa São Vicente de Paulo adquiriu um novo tanque de oxigênio para abastecimento de leitos de UTI. O equipamento, que já foi instalado, tem capacidade para armazenar até 5 mil litros de O² e substituirá o antigo, que tinha capacidade de 2 mil litros.

Antes da pandemia, o Hospital da Casa Pia São Vicente de Paulo possuía um tanque para armazenar mil litros de O². O aumento no número de casos de COVID e consequentemente pacientes em estado grave, não só de São Manuel, mas da região, fez com que a diretoria da Santa Casa fizesse a aquisição de novos tanques.

Para atender as exigências sanitárias e garantir a segurança dos pacientes, hoje, o Pronto Atendimento da Gripe é separado do Geral, e conta com exames, sala de reanimação e estabilização, enfermaria (nove leitos), UTI completa para a Covid-19 (cinco leitos), médicos de atendimento e de UTI presenciais além de enfermagem e pessoal de apoio.

Procedimentos no atendimento aos pacientes COVID seguem o protocolo do HC da Unesp.

“É com grande satisfação que conseguimos através de doações e campanhas, além de todas as melhorias, adquirir um tanque de oxigênio novo com capacidade de 5.000 litros, que atenderá os leitos existentes e principalmente os leitos de UTI reservados para os pacientes de Covid-19”, comenta Dr. Kandir Dinhane, diretor administrativo do hospital.

O impacto da pandemia é nítido no dia-a-dia do Hospital, durante todo o ano de 2020 foram investidos R$ 48 mil mensais no consumo de oxigênio. Em apenas três meses de 2021, esse investimento saltou para R$ 90 mil por mês. O mesmo ocorreu com medicamentos e EPIs. No ano passado, foram investidos, respectivamente R$ 23 mil e R$ 58 mil mensais. Já em 2021, esses valores saltaram para R$ 90 mil e R$ 123 mil mensais. Um aumento de R$ 139 mil ao mês, apenas no primeiro trimestre, se compararmos ao ano passado.

Atualmente, todos estão envolvidos na busca de melhorar condições ao atendimento COVID, os Governos Federal, Estadual e Municipal, a comunidade com as doações. “E esse melhoramento se atribui a todos que colaboraram, tanto o setor público quanto a comunidade”, finaliza Kandir.

Fonte: Assessoria