Geada: produtores da região perdem até 90% e hortaliças devem ficar mais caras

Região
Geada: produtores da região perdem até 90% e hortaliças devem ficar mais caras 21 julho 2021

Agricultores da região de Botucatu, principalmente de hortaliças, amargam os prejuízos com o frio intenso dos últimos dias. Alguns chegaram a perder até 90% de suas produções depois que as plantações foram atingidas por geadas nas madrugadas desta segunda (19) e terça-feira (20).

As baixas temperaturas congelaram as folhas, que, agora, estão sendo descartadas. Com isso, os consumidores podem encontrar, durante as próximas semanas, hortaliças mais caras e menos variedade no varejo, até que termine o ciclo de cultivo e a demanda seja suprida.

A análise é de Renato Theodoro Delgado, de 49 anos, assistente de planejamento da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável Regional de Bauru (CRDS), antiga Cati, vinculada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado.

O engenheiro agrônomo avalia que o maior impacto foi na olericultura (hortaliças, legumes e verduras). “Em alguns pontos da região, fez zero grau e até temperaturas negativas na madrugada de hoje (ontem), quando a geada foi pior, e as folhas congelaram. Quando isso ocorre, elas perdem suas fibras, se quebram, e não podem mais ser comercializadas. Neste setor, teve que produtor que perdeu até 90%. Desde que terminei a faculdade, há 25 anos, não tinha visto uma geada como essa”.

Segundo a CRDS, relataram perdas expressivas produtores do setor em Agudos, Avaí, Bauru, Botucatu, Cabrália Paulista, Jaú, Paulistânia, Piratininga, entre outras cidades vizinhas. Outro exemplo vem de Itatinga. Lá, 80% das folhagens da Horta Comunitária Cheiro Verde, foram comprometidas.

Delgado explica que, como o ciclo de desenvolvimento das hortaliças é de cerca de 45 dias, os vendedores deverão comprar de produtores mais distantes, para suprir a demanda até que os agricultores da região se recuperem. E isso deve afetar diretamente o bolso do consumidor. “Vai encarecer o valor das folhagens no mercado, principalmente pelo custo do transporte. É provável que haja menor variedade também”, projeta. “Quem mais sofre com tudo isso são as agriculturas familiares, que cultivam em menor escala. Nem todas terão dinheiro para repor a perda. É um cenário preocupante”, complementa.

O engenheiro agrônomo afirma que, apesar de alguns desses agricultores praticarem a olericultura em estufas – onde as folhas ficam protegidas -, a produção neste modelo não chega a suprir 10% da demanda dos consumidores.

Além disso, pontua que foram impactadas, em menores proporções, plantações de leguminosas e de certas frutas, como o tomate. Também houve registro, segundo ele, de perda total de áreas de pastagem.

Prejuízos

Há dois anos, Leandro de Almeida Serpa, de 49 anos, possui um delivery semanal de hortaliças fornecidas diretamente para o consumidor final, ou seja, não trabalha com venda em varejo. O cultivo dos alimentos orgânicos é feito em sua propriedade rural Campesinos, em Piratininga, e 90% de seus clientes são de Bauru. “Na minha plantação, que tem um hectare, durante a geada, fez zero grau e 80% das folhas congelaram. Calculo um prejuízo de R$ 10 mil”, lamenta ele, que também é presidente do Conselho Rural de Piratininga.

Para se ter uma ideia, Leandro afirma que, durante o inverno – período em que as plantas demoram mais para se desenvolver -, consegue cultivar, em média, 40 pés de alface americana por semana. Após a geada, porém, apenas oito tinham condições de colheita.

“Não vou aumentar meu preço temporariamente para suprir o prejuízo, porque tenho medo de perder meus clientes. Então, vou reduzir minha margem de lucro e torcer para me recuperar logo”, finaliza o agricultor.

Plantação de alfaces orgânicas amanheceu congelada ontem, em Piratininga
Plantação de alfaces orgânicas amanheceu congelada ontem, em Piratininga
Plantação de hortaliças de Leandro amanheceu congelada ontem
Plantação de hortaliças de Leandro amanheceu congelada ontem
Folhas de pé-de-mamão congelaram e quebraram em propriedade de Piratininga
Folhas de pé-de-mamão congelaram e quebraram em propriedade de Piratininga
Em Piratininga, 80% de uma produção de hortaliças congelou por conta da geada e foi perdida
Em Piratininga, 80% de uma produção de hortaliças congelou por conta da geada e foi perdida

Frio começa a ir embora

Após dois dias de frio intenso em Bauru, com, inclusive, recorde dos últimos 21 anos (3 graus nesta segunda-feira), o IPMet prevê que as temperaturas aumentarão gradualmente a partir desta quarta (21) no município.

Hoje, os termômetros devem variar entre 8 e 26 graus. Amanhã (22), a máxima prevista é de 28 graus e a mínima, de 11. A cidade segue sem previsão de chuvas.

Fonte: JCNet

Compartilhe esta notícia
Oferecimento
BERIMBAU INST DESK
FREIRE MOTOS
Oferecimento

Veja também

Oferecimento
VISTORI
SHOPPING INSTITUCIONAL
INSTITUCIONAL ELO
EXAME TOXICOLOGICO