Vereadores trocam farpas em discussão de projeto da barragem

Em sua fala na tribuna, a vereadora Rose Ielo foi enfática nas questões relacionadas ao endividamento do projeto. “O que a população precisa entender é que se trata de um empréstimo com regras que precisam ser cumpridas. Se trata de uma dívida que vai ficar, de um projeto que veio para a Câmara Municipal sem nem a documentação de impacto financeiro e que recebeu parecer positivo da Comissão de Finanças da Câmara. Quem leu o projeto sabe que faltam documentos”, justificou.

Em resposta, o vereador Cula pediu a palavra e atacou duramente a legisladora da oposição. “Conheço a vereadora Rose Ielo e sei o que ela faz na tribuna da Câmara. Trata-se de um projeto que veio de uma pessoa honrada, séria e que eu respeito muito. Torço para que a filha dela (Rose) não precise brigar por um copo de água no futuro. Fico triste por ver que ela vem até a tribuna para fazer média”, afirmou.

Na sequência, a vereadora Rose Ielo apresentou um pedido de adiamento do projeto. “Eu sou favorável à barragem, não tem segredo nisso, mas peço o adiamento para que os demais vereadores tenham a possibilidade de analisar o projeto no final de semana e votaremos ele na segunda-feira (26)”, comentou. Pedido esse que foi rejeitado pela maioria dos vereadores. Votaram pelo adiamento os vereadores: Abelardo, Carlos Trigo e Rose Ielo. Contrários ao adiamento: Carreira, Paulo Renato, Cula, Jamila, Zé Fernandes, Sargento Laudo e Alessandra Lucchesi. O presidente Izaias Colino não vota.

Líder do prefeito na Câmara, o vereador Carreira foi próximo a fazer uso da palavra. Com ânimos exaltados, o projeto foi novamente defendido. “Se trata de Botucatu, não de questões políticas. Precisamos tirar a camisa das eleições e pensar no bem e no futuro de Botucatu. Trata-se de um projeto muito importante e que é responsabilidade do gestor sim. Solucionar problemas é responsabilidade do prefeito e da Câmara Municipal sim. Os vereadores não podem ser omissos a essa situação. Estão querendo cercear o direito dos botucatuenses de ter água em casa”, concluiu o vereador.

Depois da explanação de Carreira, o pedido de vistas foi confirmado pela vereadora. “O líder do prefeito não explicou absolutamente nada do projeto, então confirmo meu pedido de vistas para que os vereadores tenham mais alguns dias para pensarem no projeto e votamos ele na próxima segunda”, destacou.

O presidente da Câmara ratificou a convocação para a Sessão Extraordinária para a próxima segunda-feira, 26 de novembro, na sequência da Ordem do Dia da Sessão Ordinária, que tem início às 20 horas.