PSDB de Botucatu emite nota de repúdio após expulsão do João Cury do partido

O Diretório Municipal do PSDB emitiu nesta quarta-feira um comunicado repudiando o ato do Presidente Estadual do Partido, Pedro Tobias, que de forma unilateral expulsou nesta semana dos quadros tucanos o ex-Prefeito de Botucatu João Cury, agora o Secretário Estadual de educação.

Tobias alegou que João Cury, ao aceitar ser Secretário de Márcio França, causou sua própria desfiliação e cometeu uma irrefutável transgressão ética. O ato não passou pela executiva do Partido e causou um enorme desconforto entre os grupos de Geraldo Alckmin (onde estava Cury) e a ala de João Dória (onde atua Pedro Tobias).

A decisão cria quase que um racha no ninho, afinal, além de Cury outros quatro tucanos próximos a Alckmin ainda estão no primeiro escalão do governo França, como Saulo de Castro (Secretário de Governo), Marcos Monteiro (Secretário  de Desenvolvimento Econômico), Clodoaldo Pelissioni (Secretário de Transportes Metropolitanos) e João Carlos Meirelles (Secretário de Energia).

Saulo de Castro, por exemplo, é braço direito de Alckmin e chegou a ser cogitado para disputar o governo. A permanência dele no governo estadual é vista por aliados de Doria como um sinal de que o ex-prefeito não contará com o apoio explícito de alckmistas de peso, como descreve matéria do Jornal Estado de São Paulo.

Demonstrando enorme desapego ao diálogo, Pedro Tobias afirmou que João Cury não tinha escolha. Em entrevista à Rádio Municipalista, disse que Cury deveria ter declarado apoio à João Dória na disputa ao governo do estado.

“João Cury é como um filho, mas ele optou por ficar com Márcio França. Ou apoia Dória ou está fora do Partido”, disse o Deputado Estadual por Bauru.

O Ex-prefeito de Botucatu já trabalha como Secretário de Educação e sua posse oficial ocorre nesta quinta-feira, dia 26. Ele foi convidado pelo próprio Governador Márcio França (PSB), que será adversário de Dória na corrida ao Palácio dos Bandeirantes.

Nos últimos dias diversos políticos deram declarações favoráveis ao ex-prefeito de Botucatu. Em nota, o PSDB de Botucatu lamenta a desfiliação de João Cury e afirma que a decisão foi monocrática por Parte de Pedro Tobias.

“É com grande surpresa que o PSDB Botucatu recebe a decisão solitária do Presidente Estadual do partido Pedro Tobias, de expulsar o ex-prefeito de Botucatu João Cury Neto.

João tem uma história vitoriosa no partido, tendo sido prefeito por dois mandatos da cidade de Botucatu (2009-2016) e presidente da Fundação para Desenvolvimento da Educação (FDE) (2017-2018) à convite do governador Geraldo Alckmin, tendo trazido, em ambos os cargos, significativos resultados positivos amplamente conhecidos e, por tais resultados, convidado a ser Secretário Estadual de Educação.

Também muito nos causa estranheza outros filiados ao PSDB que se mantiveram ou comporão o governo nessa etapa não terem o mesmo tratamento por parte do Presidente Estadual.

Essa decisão monocrática, que não ouviu o Diretório local do qual o ex-prefeito é membro, não ouviu a Executiva ou Diretório Estadual abre um perigoso precedente de expulsões sem direito ao contraditório e ampla defesa, apenas por vontade do Presidente Pedro Tobias.

A justificativa do Presidente Estadual Pedro Tobias foi de ‘irrefutável transgressão ética’ citando os incisos III e V do artigo 15 do Estatuto, ocorre que a alegada transgressão não foi sequer apresentada ao Conselho de Ética, tendo sido decidida única e exclusivamente pela vontade do Presidente Estadual”, diz a nota assinada pelo Presidente do Diretório, André Rogério Barbosa, o Curumim.