Conselho de Ética da Alesp analisará denúncia contra Fernando Cury apenas após recesso parlamentar

 

Reprodução

Os membros do Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) decidiram nesta terça-feira (29) que o caso da denúncia de importunação sexual feita pela Deputada Isa Penna (PSOL) contra o deputado estadual Fernando Cury (Solidariedade), só será analisado pelo colegiado em fevereiro, após o fim do recesso parlamentar dos deputados.

A decisão aconteceu após um parecer da Procuradoria da Alesp afirmar que o conselho só pode se reunir durante as férias parlamentares após aprovação da convocação extraordinária em plenário, pela maioria dos 94 deputados da casa.

Segundo o documento, a direção da Alesp teria que convocar todos os parlamentares em sessão extraordinária apenas para deliberar sobre a autorização de reunião do grupo de ética.

Após essa convocação do plenário, a autorização de reunião do conselho teria que ter ao menos 48 votos favoráveis para que o processo de cassação do mandato de Fernando Cury tenha andamento no colegiado durante o recesso.

A possibilidade de reunião do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Alesp durante as férias dos deputados foi levantada pela presidente do colegiado, deputada Maria Lucia Amary (PSDB), que justificou a convocação extraordinária “diante da gravidade dos fatos e diante de todo o clamor da sociedade” sobre o caso.

O Conselho de Ética da Alesp é composto por oito membros, mas apenas uma é mulher, a própria presidente Maria Lucia. O deputado Carlos Giannazi (PSOL) afirmou que cederá sua cadeira para a colega de partido Erica Malunguinho, com o objetivo de aumentar a representatividade.

Informações do Portal G1