Suposto líder de ataque em Botucatu é identificado pela polícia

Homem é apontado como chefe do grupo que roubou banco em Botucatu pode ter ligação com assaltos milionários

Homem apontado pela Polícia Civil como possível líder do ataque ao Banco do Brasil de Botucatu, ocorrido no último dia 29, pode ter ligação com crimes milionários, como o roubo de centenas de quilos de ouro no aeroporto de Guarulhos, em 2019, e assaltos no Piauí e no Paraguai. O irmão do investigado foi baleado no dia do ataque, durante troca de tiros com a polícia, e chegou a ficar escondido num apartamento em Botucatu. O casal suspeito de abrigar o criminoso foi preso.

A identificação do suposto líder do grupo foi divulgada na noite desta quinta-feira (13), em reportagem exibida pela Record, e confirmada nesta sexta-feira (14) pela Polícia Civil. Segundo a reportagem, ele já foi condenado por roubo milionário no Piauí e teria sido o mentor do ataque em Botucatu.

Um segundo suspeito da participar da ação criminosa, de acordo com a reportagem da Record, tem forte ligação com esse suposto líder e integrou a quadrilha que roubou 760 quilos de ouro do aeroporto de Guarulhos no ano passado, além de participar de grande roubo no Paraguai, em 2017.

Questionada pela reportagem sobre a identificação da suposta liderança do ataque em Botucatu, em nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou apenas que “todas as circunstâncias relativas aos fatos são investigadas pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Botucatu, com o auxílio da 5ª Delegacia de Investigações Sobre Furtos e Roubos a Banco do Deic”.

“Até o momento, oito pessoas estão presas por envolvimento na ocorrência. Nesta sexta-feira (14), um fuzil, utilizado na ação, foi localizado e apreendido. As diligências prosseguem visando a prisão de todos os autores e o esclarecimento do caso”, declarou a SSP. O fuzil, de calibre 7.62, sem carregador, estava em uma área de mata às margens da rodovia Domingos Sartori e foi apreendido pela Polícia Militar (PM).

O ATAQUE

Entre o fim da noite do dia 29 e início da madrugada do dia 30, cerca de 30 homens fortemente armados fizeram populares reféns, interceptaram a saída do Batalhão da PM com veículo em chamas e explodiram o cofre do Banco do Brasil. Dois PMs ficaram feridos, sem gravidade, e um suspeito acabou morto. No total, foram recuperados R$ 1,6 milhão, joias roubadas de joalheria em ação simultânea e oito fuzis. Até agora, cinco mulheres e três homens foram presos por envolvimento no crime.

Fonte: JCNet