Polícia faz reconstituição de assassinato de PM aposentado em Botucatu

Divulgação Polícia Civil

A Polícia Civil de Botucatu (SP) realizou na manhã desta terça-feira (8) a reconstituição do crime contra o policial militar aposentado que foi encontrado morto dentro de sua casa com uma faca cravada no peito. A reconstituição, comandada pelo delegado Geraldo Franco Pires, titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), durou três horas e meia.

O crime aconteceu em julho deste ano, no Jardim Iolanda. José Paulo de Almeida, de 61 anos, estava amarrado em seu quarto e tinha as siglas de uma facção criminosa escritas com batom nas costas. Como não havia sinais de luta corporal, a polícia suspeitava que o homem tenha sido dopado.

Na época do crime, os policiais chegaram ao local depois de encontrar o carro da vítima incendiado. A consulta pela placa do veículo levou a polícia à residência do aposentado, que já estava morto. Da casa, foram levados dois televisores e uma arma.

“Essa reconstituição foi feita para que cada suspeito mostrasse sua versão sobre o crime e para evidenciar as contradições entre essas versões, que foram muitas, com cada um deles tentando se proteger”, explicou o delegado.

Segundo Pires, com a reconstituição desta terça-feira o inquérito deve ser concluído para ser apresentado à Justiça. A previsão da Polícia Civil de Botucatu é que isso aconteça em breve.

Em agosto deste ano, a polícia prendeu temporariamente seis suspeitos do crime, entre eles a ex-mulher do policial aposentado, que no dia do crime foi localizada pela PM de pijamas em um posto de combustíveis, em Bauru. Na ocasião, Eliana Calixto disse que tinha sido roubada e sequestrada.

Segundo Pires, com a reconstituição desta terça-feira o inquérito deve ser concluído para ser apresentado à Justiça. A previsão da Polícia Civil de Botucatu é que isso aconteça até esta quinta-feira (10).

Divulgação internet

Prisão dos suspeitos

Em agosto deste ano, a polícia prendeu temporariamente seis suspeitos do crime, entre eles a ex-mulher do policial aposentado, que no dia do crime foi localizada pela PM de pijamas em um posto de combustíveis, em Bauru. Na ocasião, Eliana Calixto disse que tinha sido roubada e sequestrada.

Entre os suspeitos também estão o ex-marido de Eliana e um filho dela. Os outros três suspeitos presos, que seriam os executores do crime, foram presos em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Fonte: Portal G1