MC investigado após divulgar música sobre ataque a banco em Botucatu presta depoimento

A Polícia Civil de Botucatu (SP) informou que o MC Bokão, investigado por apologia ao crime após divulgar uma música sobre a ação da quadrilha que atacou agência bancária e aterrorizou moradores da cidade, foi chamado nesta quarta-feira (10) para prestar esclarecimentos. A oitiva vai ser na sede do DEIC, em São Paulo.

Segundo a polícia, ele deve esclarecer sobre a música com apologia ao crime e eventual organização criminosa. Um inquérito policial foi aberto depois que o MC divulgou “Assalto em Botucatu”, que já teve, até esta quarta-feira, mais de 70 mil visualizações no Youtube.

O MC Bokão informou ao G1 que acredita que foi chamado para falar sobre a música que fez relacionada ao crime, para a polícia entender se ele teve algum envolvimento no ataque.

“Eu tenho meu modo de visão quanto a isso e estou tranquilo porque não tenho envolvimento com nada, represento apenas um personagem e canto o que está na mídia, me coloco na situação. Nunca tive a intenção de fazer apologia ou enaltecer o crime, eu só canto o que é divulgado na mídia”, explica.

Na música, o MC se coloca no lugar dos criminosos da quadrilha e relata em primeira pessoa os acontecimentos no dia do crime. “Nosso objetivo é voltar com vida para casa. Em questão de dias vou bolar um plano, duplicar os malotes para compensar a ‘caozada'”, canta o MC em um trecho da música.

“É o criminoso mais ‘psico’ de São Paulo, roubando banco em vários estados e o destino foi Botucatu”, explica outro trecho.

De acordo com o delegado seccional de Botucatu, Lourenço Talamonte Neto, a música faz apologia ao crime, por isso, foi instaurado um inquérito para apurar os fatos. No entanto, não há suspeita de que o MC tenha relação direta aos criminosos que atacaram a cidade.

“A previsão é que ele seja ouvido hoje pelo Deic. Nós instauramos inquérito policial em Botucatu para apurar apologia ao crime e eventual participação na organização criminosa. Ele está exaltando com sua letra um fato criminoso que aconteceu em Botucatu e isso é crime”, explica o delegado.

Fonte: Portal G1