Idosos são resgatados em condições de cárcere privado em chácara de São Manuel, diz a Polícia

Em operação conjunta nesta sexta-feira, 09, entre Polícia Civil de São Manuel, GCM da cidade, funcionários do CRAS e da Vigilância Sanitária, as equipes flagraram uma instituição de longa permanência para idosos em situação precária.

Segundo boletim de ocorrência registrado pela Polícia Civil, uma denúncia foi feita contra o estabelecimento, fato que motivou a ação para verificar a legalização da instituição e o estado dos idosos.

“Chegando na chácara, constataram o portão trancado com cadeado e tendo chamado os responsáveis, os agentes avistaram um idoso de bengala. Embora estive fisicamente sem lesões, agradeceu com lágrimas nos olhos os agentes dando graças a deus pela presença, dizendo ainda que rezou por esse dia”, diz o documento.

Ainda de acordo com boletim de ocorrência, um homem atendeu o portão e franqueou a entrada das forças policiais e dos agentes municipais, tendo pedido que esses aguardassem do lado de fora até ele acabar de dar banho nos idosos.

No local, foi constatado tratar-se de uma chácara contendo uma casa maior e ainda três construções, que foram transformados em quartos, contendo grades nas portas.

“São cômodos pequenos, sem banheiro e cama com colchão fino. O banheiro é apenas um para todos os idosos, também do lado externo da casa. Em um dos quartos, um idoso informou que tem um balde que os responsáveis deixaram ali, mandando que ele faça as necessidades no balde”, descreve boletim da Polícia Civil.

Os idosos narraram aos policiais que permanecem no interior do quarto, não podem sair, não recebem visitas, que as refeições são de manhã um café e um pão, um almoço com arroz, feijão, ovo, salada e em pouca quantidade. Também alegaram os idosos que não tem jantar e que banhos são tomados a cada três dias.

Um dos idosos relatou que quando tomam banho, não recebe ajuda. Os policiais e agentes encontraram no local seis idosos, sendo cinco homens e uma mulher.

“Dos homens, três dormiam fora da casa, na lavanderia transformada em quarto e outros dois em cômodos transformados em quarto do lado externo da casa. Outro idoso o idoso informou também que não tem assistência médica no local e agradeceu muito a presença dos policiais e dos agentes, alegando que estava preso em um inferno”, relata mais um trecho do boletim.

Questionados, os responsáveis pelo local alegaram que são pagos para cuidar dos idosos, que dois deles lhes entregam o cartão para saque do benefício e os demais são as famílias que depositam o valor dos cuidados contratados.

“A Polícia Cientifica foi acionada e procedeu a perícia. Também constaram que os maus tratos não são aparentemente físicos, porém, estão submetidos a condições desumanas e degradantes, com os quartos trancados, alimentação escassa, colchões finos, sem acessibilidade, sem direitos a banhos diários e visitas, sem acesso digno a banheiro”, narra outro trecho do BO.

Os agentes municipais da vigilância constataram que não há licença para funcionamento, motivo que efetuaram as devidas autuações administrativas em desfavor dos indiciados. Tendo em vista os fatos detectados, os policiais conduziram os indiciados até a unidade policial para providencias, afirmou a Polícia.

Os idosos foram encaminhados para atendimento médico através da assistência social da saúde municipal e em um primeiro momento, serão encaminhados para outro local e depois ao retorno do convívio familiar. Os responsáveis pela chácara foram presos em flagrante por cárcere privado e maus tratos, crime tipificado pelo estatuto do idoso.

Trabalharam na operação a Investigadora Renata, os Guardas Civis Municipais GCMs Simone e Aline, os funcionários públicos municipais Maira e Renato, do Creas, e Luís Renato da Vigilância Sanitária.