Acusada de estelionato é detida em Botucatu após aplicar golpes

 

A Polícia Militar de Botucatu registrou na noite desta sexta-feira, 28, um caso de estelionato. Uma mulher, de nome Glauciane, primeiramente moradora de Araraquara e que segundo relatos estaria aplicando golpes em várias cidades do estado de São Paulo, foi detida em Rubião Junior tentando aplicar novo golpe

Dessa vez a estelionatária fez uma compra de roupas no valor de R$ 2 mil e tentou aplicar o golpe alegando que estava sem dinheiro e que faria o pagamento através de transferência eletrônica. O problema é que tal transferência era programa para dois dias depois da compra.

Após feita a simulação de transferência, ela tirava um ‘print’ da tela e encaminhava as imagens para as vítimas, dizendo já ter feito o depósito. Compareceram no plantão policial três pessoas que supostamente foram vítimas dessa mulher. Os policias Militares Cabo Douglas e Soldado Ruth foram os responsáveis pela ocorrência.

No plantão o delegado ouviu os envolvidos e registrou boletim de ocorrência, liberando todas as partes. Glauciane responde por 28 processos pelo crime de estelionato. Seu nome já esteve divulgado em outras matérias jornalísticas, como a matéria abaixo do portal G1 da região de Campinas, onde empresários do ramo imobiliário alegavam prejuízo R$ 2 milhões com a mesma mulher.

(Reportagem do G1 em janeiro de 2016 )

Corretores alegam prejuízos de R$ 2 milhões com ‘golpe do falso imóvel’

Um grupo de moradores de Campinas (SP) e corretores de imóveis, que afirmam terem sido vítimas do ‘golpe do falso imóvel’, se uniram para tentar recuperar R$ 2 milhões em prejuízos. A Polícia Civil está investigando o caso e já tomou depoimentos de pessoas prejudicadas. Em dezembro passado, uma vítima fez a denúncia, agora são sete.

Condomínio em Campinas onde suposta proprietária dizia que tinha apartamentos à venda (Foto: Reprodução EPTV)

As vítimas viram os anúncios em um dos maiores sites de classificados de compra e venda de imóveis e iniciaram a negociação com uma suposta vendedora. No entanto, os bens nunca foram entregues. Os valores eram anunciados em até 30% abaixo do valor de mercado.

Os clientes alegam que trataram com uma mulher que se identificou como Glauciane Aparecida Garcia. A EPTV, afiliada da TV Globo, foi até a casa dela nesta quinta-feira (7), mas ela não foi encontrada. No prédio onde ela mora, a informação é que a moradora está em viagem.

A advogada de Glauciane disse que os processos já estão na Justiça. A construtora dos apartamentos ‘vendidos’ e não entregues informou que o nome está sendo usado  indevidamente. A empresa registrou um boletim de ocorrência contra a suposta vendedora.

A corretora de imóveis Flávia Filu fez as negociações de dois imóveis no bairro São Bernardo. As clientes dela pagaram pelos imóveis. Só depois que falaram com a construtora elas perceberam o golpe.

De acordo com o advogado da corretora, Danilo Bueno, eles tentaram uma negociação com Glauciane. Toda vez em que ela marcava uma reunião, não comparecia. “Típico do estelionatário. Para ganhar tempo”, disse o advogado.

“Ela convence mesmo. É uma pessoa que a primeira vista ninguém desconfiava”, descreve Geraldo de Aquino, vítima do suposto golpe.

Edson Araújo é proprietário de uma imobiliária e alega que levou um prejuízo de R$ 325 mil. Ele disse acreditar que outras pessoas da família dela estejam envolvidas, já que depósitos foram feitos em contas destes familiares.

Link da matéria em vídeo da EPTV em janeiro de 2016

http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2016/01/corretores-alegam-prejuizos-de-r-2-milhoes-com-golpe-do-falso-imovel.html