Tempestade de meteoros visível no Brasil encerra mês de maio

Nacionais
Tempestade de meteoros visível no Brasil encerra mês de maio 29 maio 2022
Chuva de meteoros registrada no Rio Grande do Sul — Foto: Observatório Heller & Jung/Divulgação

O mês de maio vai terminar com uma bela tempestade de meteoros que promete encantar olhares de amantes da astronomia. Segundo as previsões, a tempestade poderá ser observada parcialmente no Brasil, na madrugada entre esta segunda (30) e terça-feira (31).

Conforme explicou o professor Rodolfo Langhi, do Observatório Didático de Astronomia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Bauru (SP), o fenômeno será melhor observado da América do Norte, como no México ou Estados Unidos, mas deve produzir um verdadeiro show de luzes em céus brasileiros.

“A expectativa são de milhares de meteoros por hora! Se as previsões se confirmarem, será um espetáculo jamais visto na história, a não ser pelo registro parecido que ocorreu em 1833”, explicou empolgado o professor.

Uma tempestade de meteoros é uma chuva de fragmentos de rocha, oriundo de corpos celestes, que entram na atmosfera terrestre. Nesse caso, são milhares de meteoros por hora fragmentados adentrando a órbita do planeta.

Cometa se fragmentando

Conforme explicou o professor, em 1995, o brilho de um cometa teve um aumento súbito, se tornando cerca de 600 vezes mais brilhante que sua magnitude média. Poderia até mesmo ser visto a olho nu, o que era inesperado para um cometa um núcleo de apenas 1,5 km de diâmetro.

Um mês depois daquele “surto”, astrônomos disseram que o núcleo do cometa havia se partido em alguns grandes blocos. As observações indicavam ao menos quatro grandes fragmentos, sendo dois destes em processo de desintegração.

As rupturas de 1995 geraram uma imensa quantidade de poeira lançada ao espaço. Alguns cálculos mostram que na noite desta terça-feira, a Terra vai cruzar verticalmente uma densa região desses detritos.

“Surtos são simplesmente momentos em que a quantidade de meteoros vai aumentar. Imagine que você está dirigindo um carro na rodovia e, de repente, atravessa um enxame de abelhas, e elas se chocam no vidro do seu carro. O mesmo ocorre com a Terra cruzando um enxame de partículas deixadas pelo cometa”, orientou o professor.

A trilha de poeira deixada pelo cometa gera, anualmente, uma chuva de meteoros menor, conhecida como Tau-Herculídeas.

Isso deve proporcionar pelo menos dois surtos da Tau-Herculídeas:

Por volta da 0h desta terça-feira, deve ocorrer o primeiro “surto”, quando a Terra atravessará as trilhas de detritos deixadas pelo cometa em 1892 e 1941. Para este “surto”, são esperados até 50 meteoros por hora;

O segundo surto deve ocorrer ainda na madrugada desta terça, no momento em que a Terra atingir a densa trilha lançada pela ruptura de 1995. Como esta será a primeira vez que atravessaremos esta trilha, não há muito consenso quanto ao horário exato em que isso ocorrerá, mas provavelmente próximo às 2h15, no mesmo momento em que estaremos atravessando a trilha deixada na passagem de 1979 do cometa. Neste horário, a modelagem básica indica uma taxa de 600 a 700 meteoros por hora. Entretanto, considerando que em 1995 o cometa se partiu em várias partes, a intensidade deste surto pode atingir até dez mil, ou talvez, 100 mil meteoros por hora durante a máxima.

“Se confirmadas as projeções mais otimistas, ela certamente se tornará uma das maiores tempestades de meteoros já vista”, celebra o professor.

Fonte: portal g1

Compartilhe esta notícia
Oferecimento
BERIMBAU INST DESK
Oferecimento