Satélite aponta mancha de óleo gigante de 54 km se aproximando da costa brasileira

O Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite (Lapis) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) diz ter identificado um grande vazamento de óleo abaixo da superfície do mar, na região sul da Bahia, com 55 km de extensão e 6 km de largura, a uma distância de 54 km da Costa do Nordeste e que isso pode explicar o vazamento que atingiu o litoral do Nordeste. A Marinha nega relação entre as imagens e o petróleo nas praias.

“Ontem tivemos um grande impacto, pois pela primeira vez, encontramos uma assinatura espacial diferenciada. Ela mostra que a origem do vazamento pode estar ocorrendo abaixo da superfície do mar. Com isso, levantamos a hipótese de que a poluição pode ter sido causada por um grande vazamento em minas de petróleo, ou pela sua localização, pode ter ocorrido até mesmo na região do pré-sal”, diz o pesquisador.

Toda a região que foi analisada pelo pesquisador nas imagens está perto de áreas de exploração de petróleo, conforme mapeamento da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Ao G1, a Marinha disse que a mancha que estaria avançando pelo mar da Bahia identificada nas imagens de satélite não se trata de óleo. Para chegar a essa conclusão, foram feitas quatro avaliações: consulta aos especialistas da ITOPF, monitoramento aéreo e por navios na região e por meio de satélite.

“É importante frisar que a gravidade, a extensão e o ineditismo desse crime ambiental exigem constante avaliação da estrutura e dos recursos materiais e humanos empregados, no tempo e quantitativo que for necessário”, diz trecho da nota da Marinha.

Segundo Humberto Barbosa, há cerca de 60 dias, foram encontradas em imagens de satélite manchas menores de óleo no mar, mas, como o piche estava fragmentado, não tinha como identificar o vazamento de óleo.

“Durante esse tempo foi uma montagem de quebra-cabeça, até que na segunda [28], descobrimos a peça chave, foi a primeira vez que observamos uma imagem de satélite que detectou uma faixa da mancha de óleo original, ainda não fragmentada e não carregada pelas correntezas”, diz Barbosa.

O Lapis também observou, a partir de imagens retroativas de satélites, manchas de petróleo no Sudeste do Brasil, precisamente esse tipo de poluição ocorrendo, em menor volume, próximo à Costa do Espírito Santo. Entretanto, o padrão localizado é diferente do que foi detectado no Sul da Bahia.

“As imagens mostram que há pequenas quantidades de óleo espalhadas pelo oceano, motivo porque o Brasil precisa estabelecer um monitoramento mais consistente do oceano. Mas a quantidade de petróleo identificada na imagem de ontem, próximo à Costa da Bahia é de uma enorme extensão”, afirma.

60 dias do surgimento das manchas de óleo

O surgimento das manchas de óleo no Nordeste completa dois meses nesta quarta-feira (30) sem que a origem tenha sido identificada. Uma análise do G1 com base nos balanços divulgados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) mostra que o pico de novas manchas ocorreu em 21 de outubro e a evolução dos registros ainda não apresenta uma tendência de queda.

Diferente das imagens analisadas pelo pesquisador, de que há vazamento de óleo no Sul da Bahia, a Petrobras afirma que se trata de petróleo cru com “assinatura” da Venezuela, ou seja, só é extraído naquela parte do mundo.

Apesar disso, especialistas afirmam ser improvável que o óleo tenha vazado diretamente de lá; a própria Venezuela já afirmou que não tem ligação com a origem do desastre.

A Justiça de Alagoas determinou que a União adotasse medidas concretas para diminuir o impacto da poluição no estado. O Ministério Público Federal de Sergipe disse que a União é “omissa” no combate às manchas e pediu que o ministério do Meio Ambiente adotasse medidas do Plano Nacional de Contingência, que não foi acionado.

Fonte: Portal G1