Consumidores acreditam que o Cadastro Positivo facilitará crédito

Uma pesquisa realizada pela Serasa Experian, 83% dos brasileiros já ouviram falar ou conhecem o Cadastro Positivo, que passou a vigorar no Brasil no dia 9 de julho de 2019, no modelo de inclusão automática de consumidores.

A pesquisa, que passa a considerar apenas as respostas daqueles que afirmaram já ter ouvido falar do novo modelo, revela ainda que mais da metade (56%) dos participantes está confortável em saber que suas informações serão incluídas de forma automática no banco de dados de empresas de proteção ao crédito.

Outro dado relevante aponta que 66% dos entrevistados acreditam que haverá taxas de juros e condições de pagamentos diferentes para os bons pagadores e, nesta amostra, 72% esperam ver melhorias já nos próximos seis meses.

“Estes resultados mostram que os consumidores têm consciência da importância do Cadastro Positivo e dos ganhos que ele deve trazer ao mercado brasileiro de crédito”, diz a diretora de Operações de Dados da Serasa Experian, Leila Martins.

Baseado em uma metodologia mais abrangente e inclusiva para concessão de crédito, o Cadastro Positivo considera a análise de todo o histórico de endividamento e de que modo a pessoa honra seus compromissos assumidos com bancos e comércio e pagam suas contas de consumo (luz, água, telefone, gás).

O objetivo do Cadastro Positivo é valorizar aspectos como o hábito do consumidor de pagar em dia suas contas e não se concentrar somente nas dívidas não pagas.

A pesquisa apontou ainda que 78% das pessoas acham que empréstimos e financiamentos se tornarão mais acessíveis com a entrada do Cadastro Positivo.

Dentro deste percentual, 51% dos entrevistados afirmam que as solicitações de crédito junto aos bancos serão mais fáceis. Na sequência estão as financeiras (35%) e lojas físicas e on-line de diferentes áreas: carros e motos (24,2%), eletrodomésticos (15,5%), roupas (13,3%), eletrônicos (13,3%) e materiais de construção (9,1%).

A pesquisa entrevistou 2.017 consumidores brasileiros no mês de junho de 2019 nas regiões Sudeste, Nordeste, Sul e Centro-Oeste/Norte.

Fonte: Jornal do Comércio