Com alta do combustível, Uber e 99 reajustam ganho da corrida para motoristas

Em São Paulo, a corrida do UberX foi reajustada para motoristas em até 35% nesta semana e não haverá aumento para o consumidor. Já a 99 elevou os repasses aos motoristas entre 10% e 25% em mais de 20 regiões metropolitanas do país.

Os aplicativos de transportes Uber e 99 aumentaram o valor das corridas que são repassados para os motoristas. O reajuste ocorre num cenário de alta dos combustíveis em todo o país e em meio a uma série de reclamações dos trabalhadores do setor.

A Uber informou que não haverá aumento para o passageiro. Na 99, também não haverá repasse aos usuários da platafroma (veja nota abaixo).

Na região metropolitana de São Paulo, a Uber disse que o ganho das viagens para os motoristas com a modalidade UberX – a mais popular – foi reajustado em até 35% nesta semana.

Segundo a Uber, a alta do preço do combustível tem feito com que a empresa promova uma revisão e reajuste “os ganhos dos motoristas parceiros em diversas cidades, em todas as modalidades”.

Questionada, a companhia não detalhou até a última atualização dessa reportagem como o aumento do valor repassado para os motoristas será absorvido pela empresa de forma a evitar uma alta no preço da viagem para o passageiro.

99 reajusta ganho dos motoristas parceiros

A ação foi definida a partir de milhares de testes, realizados em dezenas de cidades no último mês. Motoristas das cidades de Belo Horizonte e Salvador receberam o reajuste há duas semanas. Aumento de 10% a 25% para os motoristas parceiros visa equilibrar a plataforma oferecendo mais ganhos para motoristas e mantendo a acessibilidade do serviço para os passageiros.

Os constantes reajustes dos combustíveis impactaram muito negativamente os serviços de transporte por aplicativo. Diante desse cenário, a 99 reajustou os ganhos dos motoristas parceiros entre 10% e 25% em mais de 20 regiões metropolitanas do País, incluindo grandes centros como São Paulo, Belo Horizonte, Florianópolis, Brasília, Goiânia, Fortaleza, Salvador, São Luís, João Pessoa e Maceió. A medida já vinha sendo adotada desde o último mês e segue em expansão.

O aumento revisa os ganhos dos motoristas parceiros e foi definido levando em consideração a manutenção do equilíbrio da plataforma, para possibilitar que a população continue tendo acesso a um meio de transporte financeiramente viável, seguro e eficiente. Os reajustes serão subsidiados pela 99.

“Oferecer um serviço de qualidade a um custo acessível permitiu que muitas pessoas da classe C passassem a usar nossa plataforma com mais frequência. A responsabilidade da 99 é continuar promovendo esse equilíbrio entre oferta e demanda para que as pessoas continuem se locomovendo com mais conforto e segurança, ao mesmo tempo em que os motoristas parceiros consigam obter seus ganhos e possam cuidar de suas famílias”, explica Livia Pozzi, diretora de operações e produtos da 99.

Esta ação segue uma série de medidas que estão sendo adotadas pela plataforma para gerar mais ganhos para os motoristas parceiros e acesso aos passageiros. Neste ano, a empresa já garantiu R$ 3,1 milhões de desconto em postos da rede Shell de todo o país. Além disso, lançou um pacote de ações que, entre outras medidas, zera as taxas em dias, horários e cidades específicas, para que os parceiros fiquem com o valor total da corrida. Com essas iniciativas, a empresa estima injetar mais de R$ 570 milhões ao PIB brasileiro até dezembro, além do valor já gerado pela atividade intermediada pela companhia que, em 2020, segundo a FIPE foi de R$ 15 bilhões.

Em 2020, no auge das regras de isolamento social que reduziram o volume de passageiros em todo o país, a 99 remou contra a maré e investiu R$ 90 milhões na geração de novos produtos que aumentassem a demanda de forma segura, gerando mais oferta e ganhos para os condutores parceiros.

Sobre a 99

A 99 é uma empresa de tecnologia que oferece conveniência e soluções para as necessidades dos brasileiros. O aplicativo faz parte da companhia global Didi Chuxing (“DiDi”) e no Brasil conecta pessoas a serviços de mobilidade, pagamentos e entregas.

Reclamação dos motoristas

Os motoristas dos dois aplicativos vinham se queixando da alta do combustível e de como o negócio deixou de ser lucrativo.

O presidente da Associação de Motoristas de Aplicativos de São Paulo, Eduardo Lima de Souza, chegou a afirmar que 25% dos motoristas de aplicativo deixaram de trabalhar para as plataformas desde o início da pandemia.

Fonte: G1

* A reportagem foi atualizada em 15/09/2021 com a inclusão de uma nota da empresa 99, retificando que não haverá reajusta ao usuário da plataforma.