Boeing nomeia executivos para liderar nova empresa que será criada após acordo com Embraer

Foto: Denis Balibouse/Reuters; Roosevelt Cassio/Reuters

A Boeing nomeou nesta quarta-feira (20) dois executivos para liderar a nova companhia que será criada após a conclusão do acordo de US$ 4,2 bilhões por uma participação de 80% no negócio de aviação comercial da Embraer.

Marc Allen, que hoje comanda a Boeing International, será presidente da parceria com a Embraer e das Operações do Grupo, enquanto John Slattery, que atualmente chefia a divisão de aviação comercial da fabricante brasileira, será CEO da empresa resultante do acordo, disse o grupo norte-americano em comunicado.

A Boeing anunciou também Michael Arthur, que hoje cuida da Boeing Europa, como novo presidente da Boeing Internacional.

Allen assumirá o novo cargo a partir do dia 22 de abril. Na mesma data, Paulo Cesar de Souza e Silva deixará o comando da Embraer, conforme já anunciado. O novo presidente da Embraer será ratificado em assembleia geral ordinária convocada também para 22 de abril, destaca a o Valor Online.

Separadamente, a Embraer informou em comunicado que divulgará internamente nesta quarta-feira qual será sua estrutura organizacional após o fechamento da parceria estratégica com a Boeing, que deve ser concluída até o fim do ano.

O controle da unidade de aviação comercial da Embraer será transferido para Boeing como parte da transação proposta, que ainda precisa ser aprovada por autoridades concorrenciais ao redor do mundo.

Em dezembro, as duas companhias acertaram os termos da venda do controle dos negócios de aviação comercial da Embraer para a Boeing, após terem assinado memorando de entendimento em julho.

O acordo, que avalia a divisão em cerca de US$ 5,3 bilhões de dólares, prevê que a fabricante brasileira deverá transferir 80% da unidade para Boeing e manterá participação de 20%, tendo poder de decisão sobre alguns temas estratégicos.

Em 2019, a ação da Embraer acumula queda de pouco mais de 10%, após ter se valorizado aproximadamente 9% no ano passado.

Fonte: Portal G1