Após protestos, inclusive na região, Temer discute alta dos combustíveis

A alta do preço dos combustíveis e a reação de caminhoneiros, que organizam paralisações em pelo menos 13 estados do País, levaram o Palácio do Planalto a marcar uma reunião para discutir o tema na tarde desta segunda-feira (21).

Um grande número de trabalhadores, com faixas e cartazes, se concentrou nesta manhã, às margens do quilômetro 318 da rodovia Marechal Rondon (SP-300), em Agudos (13 quilômetros de Bauru). Cerca de 40 veículos participaram no ato. Segundo o policiamento rodoviário, não houve interdição pista.

ALTA DOS PREÇOS

Desde o início do ano, o governo já vinha estudando formas de conter a elevação do preço da gasolina, do diesel e do gás de cozinha. O presidente Michel Temer pediu recentemente que o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, buscasse alternativas.

Na sexta (18), Moreira disse que o governo quer discutir a política de preços dos combustíveis no país, diante da escalada recente provocada pela alta do preço do petróleo no mercado internacional. Na semana passada, a Petrobras havia anunciado que subiria novamente os valores: 0,80% o preço do diesel e 1,34% o da gasolina nas refinarias a partir de sábado (19).

O encontro deve reunir, além de Temer e Moreira, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Eduardo Guardia (Fazenda), Esteves Colnago (Planejamento), e o secretário da Receita, Jorge Rachid. Uma reunião prévia, na noite de domingo (20) já foi realizada no Palácio do Jaburu.

A agenda foi marcada depois de os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), também se manifestaram sobre o assunto. Eles anunciaram uma nota conjunta nesta segunda dizendo que as duas casas devem formar uma comissão para debater o preço dos combustíveis.

“O preço dos combustíveis, no nível em que se encontra, impacta negativamente o dia a dia dos brasileiros”, afirmaram.

Fonte: Jcnet