Whats clonado: golpistas usam nomes de empresas conhecidas para enganar usuários

Objetivo é ganhar a confiança das vítimas e fazer com que passem o código de acesso

Estelionatários estão incrementando a forma de aplicação do golpe do WhatsApp clonado. Agora, eles enviam mensagens simulando promoções e prêmios em nome de grandes franquias conhecidas entre os brasileiros, como marcas de chocolate, lojas de departamento, restaurantes, bancos e até de tickets de pedágio. A Polícia Civil alerta que o objetivo é ganhar a confiança de possíveis vítimas e fazer com que elas forneçam o código de acesso ao aplicativo de mensagens para, então, clonar o número e pedir dinheiro aos amigos e familiares.

De acordo com o delegado coordenador do Setor de Investigações Gerais (SIG) da Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Bauru, Eduardo Herrera dos Santos, os golpistas tiveram que atualizar a forma como abordavam as pessoas, uma vez que elas estão mais orientadas sobre os crimes e já não são vitimadas com tanta facilidade. Com isso, passaram a usar nomes de grandes empresas para tentar passar maior credibilidade e, com isso, obter o acesso do WhatsApp.

“Agora, geralmente, eles enviam uma mensagem alegando que a pessoa foi beneficiada por algum tipo de prêmio de uma marca conhecida. Então, eles continuam conversando com ela até o momento em que pedem que ela informe um número que vai chegar por SMS, que é o código de verificação do WhatsApp”, explica.

Quando a pessoa fornece o código, o criminoso consegue clonar o número do celular da vítima e pedir quantias em dinheiro para pessoas próximas, por meio do aplicativo de mensagens. “Eles inventam qualquer tipo de motivo urgente. E, quando o conhecido acredita e envia o valor, se torna vítima de estelionato também”, afirma o delegado.

Por isso, o delegado destaca que é importante que as pessoas verifiquem algumas informações, como observar se o número que receberam a mensagem é mesmo daquela marca, ou entrar em contato com a empresa para questionar se existe mesmo a promoção relatada. Também é possível aumentar a segurança do aplicativo utilizando a verificação em duas etapas, que pode ser habilitada dentro do aplicativo em “configurações”, “conta”, “verificação em duas etapas” e, finalmente, “ativar”.

Além disso, Eduardo Herrera ainda aconselha as pessoas que receberem pedidos de dinheiro de conhecidos ou familiares por WhatsApp a tentar contatá-los antes para confirmar se a necessidade de ajuda é genuína. “Também é importante registrar o boletim de ocorrência na delegacia, mesmo que o golpe não seja consumado”, finaliza.

CARTILHA

A Polícia Civil desenvolveu uma cartilha com informações sobre vários tipos de estelionato e como evitar ser vítima deles. O material está disponível na Internet e pode ser acessado pelo link https://bit.ly/3nMUtMu.

Paula Marques recebeu mensagens e ligações dos golpistas, mas desconfiou e conseguiu se safar

E não é só por mensagem que os golpistas tentam fisgar vítimas. Foi no último sábado (21) que a funcionária pública Paula Marques, de 34 anos, recebeu uma ligação informando que ela havia ganhado um jantar com um acompanhante em um restaurante de uma franquia que serve frutos do mar.

“Achei estranho porque não fiz cadastro nessa empresa e também não há uma unidade deles em Bauru. Respondi que não tinha interesse. Disseram, então, que eu precisaria confirmar o protocolo de atendimento. No mesmo instante, recebi um SMS com o código de verificação do WhatsApp”, conta. “O curioso é que, no SMS, está escrito para não compartilhar o número com outras pessoas”.

Após dois dias, Paula recebeu uma mensagem no WhatsApp, dizendo que havia sido contemplada por uma cesta de produtos de uma franquia de chocolates. “Achei curioso que, no perfil do número, havia uma foto do dono da franquia com uma fala sobre a promoção, para passar segurança. É algo bem elaborado. Mas, como já estava alerta por conta da ligação, apenas denunciei no aplicativo”.

Fonte: JCNet