Unesp pagará primeira parcela do 13ª salário no próximo dia 30

Após dois anos com o pagamento atrasado do 13.º salário dos servidores, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) anunciou que neste ano conseguirá pagar a remuneração em dia.

Metade do recurso foi garantida com a sanção de uma lei pelo governador João Doria (PSDB) que prevê reembolsar a universidade pelos funcionários cedidos para trabalhar no Hospital das Clínicas de Botucatu, gerido pela Secretaria Estadual de Saúde.

Na última terça-feira, dia 10, em entrevista ao site da Universidade, o reitor professor Sandro Valentini, anunciou as datas para o pagamento do benefício dos servidores docentes e técnico-administrativos (CLT e estatutários).

O pagamento ocorrerá em duas parcelas, a serem creditadas em 30 de novembro e 11 de dezembro.

O reembolso deste ano será de R$ 83 milhões e o pagamento do 13.º é calculado em R$ 170 milhões, mas a universidade diz já ter garantido o restante. “Vai ser a primeira vez desde 2017 que vamos começar o ano com um cenário orçamentário mais favorável, sem dívida salarial”, disse o reitor Sandro Valentini.

Crise. Nos últimos dois anos, a Unesp sofreu um agravamento da crise financeira, o que levou a uma série de medidas polêmicas. A instituição iniciou 2019 com o atraso do pagamento do 13.º salário e depois foi a única universidade paulista a não conceder reajuste salarial aos servidores — USP e Unicamp deram aumento de 2,2%. Antes, em 2018, a Unesp apresentou e iniciou um plano de reestruturação acadêmica e administrativa para reduzir custos.

Valentini diz que a situação financeira da universidade melhorou e, no início de 2020, vai conceder o reajuste salarial de 2,2% como foi prometido aos servidores. “Conseguimos reequilibrar as contas da Unesp. Em 2016, 101% do que a universidade recebia de recurso do Estado ia para o pagamento de servidores. Agora, vamos fechar o ano entre 86% e 88%. Aos poucos, para não desequilibrar as finanças, vamos revertendo as perdas que aconteceram nos últimos anos.”

Além do reajuste, Valentini quer no próximo ano abrir concurso para a contratação de 100 professores e 50 servidores técnico-administrativos. A Unesp não contrata novos servidores desde 2014, quando foram congelados os concursos.

Fonte: Portal Terra e Unesp