Super Pai: O advogado Ézeo Fusco conta como foi criar sozinho o filho logo após perder a esposa

 

 

O jornal Nosso Bairro foi conhecer a história do advogado, Ézeo Fusco Júnior (50), pai de Ézeo Fusco Neto (6) e Miguel Fusco (1). O sonho de ser pai se realizou no dia 7 de dezembro de 2010 e junto com a paternidade vieram os desafios que a vida havia reservado.

A esposa de Ézeo, Daniele Deléo, descobriu aos cinco meses de gestação que tinha uma metástase e imediatamente começou o tratamento. O filho do casal nasceu com 33 semanas. “Apesar do parto prematuro, Neto nasceu bem. Em poucos dias o levamos para casa. Lembro que quando ia fazer as visitas no hospital, as enfermeiras sempre me chamavam para ensinar algumas coisas sobre o bebê, como dar banho, mamadeira, etc.”, conta.

Apesar do tratamento agressivo que Daniele fez, depois de nove meses, após o nascimento de Neto, ela faleceu e Ézeo assumiu a criação do filho sozinho. “A Dani me ensinou a cuidar do nosso filho neste período. A própria criança te ensina a cuidar dela. Desde que tudo aconteceu moramos nós dois e eu cuido dele. Claro que sempre tive o apoio da família, principalmente da minha mãe. Também tenho uma excelente funcionária que me ajuda”, diz.

Aprendizado e companheirismo

Ézeo relembra que no início não trabalhava no período da manhã para dedicar seu tempo ao filho. “Sou eu que o levo e busco na escola, arrumo as coisas dele, ajudo na lição de casa, dou banho, enfim, coisas cotidianas de toda criança. Quando ele era ainda bebê ajustei minha agenda de trabalho para poder ficar o máximo de tempo possível com ele”, comenta.

Um fato engraçado marcou a vida de pai e filho como revela Ézeo Fusco. “Lembro que estava em um shopping em São Paulo e fui até o fraldário para trocar o Neto. Quando entrei era o único homem em meio a muitas mulheres. As mães ficaram olhando e no final eu estava trocando dicas com elas sobre pomadas que evitam assadura”, diverte-se.

Outra curiosidade foi revelada durante a entrevista: “Desde que o Neto nasceu nós dormimos juntos. Sou eu que levo e busco na escola. Nunca viajei sem ele. O Neto é meu parceiro”, orgulha-se.

Sonho realizado

Para alegrar ainda mais a vida de Ézeo e Neto, há um ano e meio a família aumentou com a chegada do caçula, Miguel. “O Neto sempre me pedia um irmão e quando o Miguel nasceu ele ficou muito feliz. Ele foi o primeiro a pegar o irmão no colo. Não teve ciúmes, muito pelo contrário, ele adora brincar e cantar para o Miguel”, revela.

Todos os domingos, pai e filhos vão ao culto. “Crio as crianças na igreja. Todos os dias lemos a Bíblia juntos. Deus te dá a missão de ensinar e ser o exemplo para as crianças. Crio os meus filhos para viverem no mundo, mas não para serem do mundo. A criança retribui todo o amor que você dá a ela e isso nos dá uma satisfação e uma felicidade enorme”, frisa.

Questionado sobre o que é a paternidade, Ézeo afirma que é uma realização. “Sempre tive a vontade de ser pai. É uma troca de amor e dedicação. Além da responsabilidade de ensinar a vida para outra pessoa”, conclui.

“Deus te dá a missão de ensinar e ser o exemplo para os crianças. Crio os meus filhos para viverem no mundo, mas não para serem do mundo”.