Saúde lista dicas de prevenção do coronavírus durante as festas de final de ano

Vigilância Sanitária Estadual alerta sobre a importância da manutenção das recomendações médicas em meio às festividades

A Secretaria de Estado da Saúde decidiu listar dicas para orientar a população sobre as medidas de prevenção contra o novo coronavírus durante as festas de Natal e Ano Novo, quando comumente há confraternizações entre familiares, amigos e colegas de trabalho.

As principais recomendações do Centro de Vigilância Sanitária (CVS) Estadual visam reforçar as instruções para que essas comemorações ocorram de forma segura, de modo a minimizar a propagação do novo coronavírus e contribuir para a proteção individual e coletiva.

“É importante ressaltar que toda a população é parte importante para a solução e o controle da pandemia. Cerca de 60% das pessoas que transmitem o coronavírus são assintomáticas, por isso festas, encontros sociais e aglomerações devem ser evitadas neste momento”, afirma a diretora da Vigilância Sanitária, Cristina Megid. “Com a colaboração de todos é possível aproveitar as festas de forma segura. A ação consciente da população é parte vital na contenção da propagação do vírus”, complementa.

Higienização e distanciamento

Devem ser seguidas as principais recomendações sanitárias já dadas no decorrer da pandemia: evitar aglomerações, manter as mãos higienizadas com água e sabão ou com uso de álcool em gel 70%, prezar pelo distanciamento social, ficando em casa se possível ou utilizando máscaras se a pessoa precisar se deslocar e ir a ambientes coletivos.

Para além disso, é desejável que os encontros tenham limitação de pessoas: “em geral, até dez pessoas e apenas entre os próprios residentes da casa, por exemplo, evitando o encontro presencial de parentes e amigos que morem em outras localidades, especialmente os que não estiverem em plena quarentena”, explica a diretora do CVS. Uma opção que cresceu durante a pandemia foi o encontro no ambiente virtual, por meio de mensagens, ligações e chamadas de vídeo. “Quanto mais pessoas estiverem na festa, maior o risco de transmissão da COVID-19”, acrescenta.

Ambientes e utensílios

É importante que esses encontros ocorram em ambiente arejado, de preferência ao ar livre e com possibilidade de distanciamento social entre as pessoas. “Não é recomendado cantar ou gritar, pois as gotículas expelidas durante o ato podem alcançar até oito metros de distância, aumentando o risco de contaminação”, explica a diretora da Vigilância Sanitária.

É preferível que as comemorações tenham duração limitada, pois reuniões duradouras representam maior possibilidade de transmissão.

Utilizar máscaras e higienizar as mãos é imprescindível antes e depois das refeições, que costumam ser seguidas de conversas e interação entre os participantes. Com o uso da máscara, menor a chance de contaminar outras pessoas.

Também é importante a moderação do consumo de bebidas alcoólicas, considerando o potencial de alterações nos hábitos e comportamentos pelo consumo do álcool. O relaxamento da prevenção pode e deve ser evitado.

Não compartilhar objetos como celulares, copos, talheres e outros também reforça a segurança. É aconselhável que haja apenas uma pessoa para servir os demais e que todos mantenham mãos e utensílios higienizados, com o menor contato possível por pessoas diferentes.

Viagens devem ser evitadas, pois aeroportos, terminais de ônibus, postos de gasolina e paradas de descanso são ambientes onde os viajantes podem ser expostos ao vírus.

Atenção aos sintomas

Pessoas que apresentem sintomas respiratórios como tosse, espirros e coriza, além de febre, diarreia e ausência de olfato ou paladar, sintomas comuns entre pacientes com COVID-19, devem ficar isolados dos demais e ausentes das reuniões presenciais.

Procurar um serviço de saúde para avaliação médica e diagnóstico é fundamental para que a pessoa tenha atendimento hospitalar se necessário e receba as instruções para recuperação de seu quadro de saúde.