Pedágio em Botucatu na SP-255 começa a funcionar nesta quarta-feira, 29

Foto divulgação

A partir da zero hora desta quarta-feira (29), os usuários da SP-255, na região de Botucatu e Itaí, terão que pagar tarifa em duas novas praças de pedágio administrados pela concessionária ViaPaulista. A cobrança foi autorizada pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp).

A praça de pedágio da SP-255 fica em um trecho localizado ainda no município de Botucatu, na divisa com Pratânia.

Nesta terça-feira (28), a Secretaria de Logística e Transportes do Estado de São Paulo publicou no Diário Oficial do Estado (DOE), despacho do secretário da Pasta, informando o início da operação. O texto informa que os valores correspondentes às categorias de veículos, em cada uma das praças, foram publicados na edição do DOE de sábado (25).

Segundo a concessionária, os pedágios estão localizados no km 229+040, em Botucatu, e km 306, em Itaí, da SP-255. A cobrança será iniciada depois que a concessionária cumpriu o Plano Intensivo Inicial (PII), que se refere ao pacote de melhorias na rodovia, entre Araraquara e Barão de Antonina. Veja abaixo a tabela de preços em Botucatu.

BOTUCATU

Rodovia João Mellão (SP-255), km 229+040m

Categoria

Valor para pista manual

Valor para cobrança automática

(5% de desconto)

1

Automóvel, caminhoneta, triciclo e furgão

2 eixos

5,10

4,84

2

Caminhão leve, micro-ônibus, ônibus, caminhão trator e furgão

2 eixos

10,10

9,59

3

Caminhão trator, caminhão trator com semirreboque e ônibus

3 eixos

15,20

14,44

4

Caminhão com reboque e caminhão trator com semirreboque

4 eixos

20,30

19,28

5

Caminhão com reboque e caminhão trator com semirreboque

5 eixos

25,40

24,13

6

Caminhão com reboque e caminhão trator com semirreboque

6 eixos

30,40

28,88

7

Automóvel ou caminhonete com semirreboque

3 eixos

7,60

7,22

8

Automóvel ou caminhonete com reboque

4 eixos

10,10

9,59

9

Motocicleta, motoneta e bicicleta a motor

2 eixos

2,50

2,37

Esse primeiro trabalho durou um ano e demandou investimentos de R$ 170 milhões. Até o momento, a empresa instalou e reparou, no total, mais de 61 mil metros de cercas, recuperou e implantou 12 mil metros de dispositivos de drenagem e instalou cinco quilômetros de defensas metálicas. Apenas de pavimento asfáltico foram mais de 36 mil metros cúbicos, alterando o cenário rodoviário de toda a região.

Com informações do site Estrada e Via Arteris