Os exercícios físicos e a onda de frio

Artigo do Professor Beto Pavão

Julho se despende com frio muito intenso em vários estados do Brasil. Tudo isso é consequência de uma grande e forte frente fria que avança sobre o país associada a uma massa de ar frio de origem polar muito forte, possivelmente a mais forte deste ano até agora, e a um ciclone extratropical.

Esse frio não veio de surpresa pois os meteorologistas estão a dias alertando sobre essa onda, e graças a tecnologia pudemos nos preparar retirando os cobertores dos armários e colocando as blusas guardadas a tempo para tomar um bom banho de sol.

Vamos focar mais uma vez ao que nos cabe. Como fica a rotina dos exercícios diante desse panorama? Bom, o fato é que no frio o corpo precisa de mais energia para manter a temperatura corporal em níveis fisiológicos saudáveis, o que também faz com que a percepção de esforço possa aumentar a sensação de cansaço durante o exercício.Existe uma teoria que no inverno gastamos mais energia no estado basal, ou seja, em repouso. Isso é verdade, mas esse gasto não é suficiente para que haja um emagrecimento significativo no corpo, uma vez que o apetite aumenta bastante.

Para a realização das práticas esportivas é importante um cuidado especial em relação a vestimenta pois a região periférica do corpo como mãos e pés tendem a ficar mais gelados por conta da vascularização do retorno venoso.

Mais do que uma condição fisiológica de como o corpo responde, adaptar e ter criatividade para que o sedentarismo não tome conta dos nossos pensamentos nesse momento é fundamental. Se preciso mude suas atividades de piscina para a academia, ou leve suas corridas de rua para a esteira. Uma super opção pra quem pedala são os rolos que colocam as bikes para girar em ambientes fechados. O fato mais importante é lembrar que tudo é possível, menos ficar parado.

Precisamos também nesse período ter bastante atenção com o aquecimento, já que temos uma tendencia natural a ficarmos mais contraídos no inverno, e diante disso os alongamentos dinâmicos devem ser priorizados.

Finalizo com uma frase do mestre Charles Darwin que diz, “os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência do que os menos adaptados, deixando um número maior de descendentes. Os organismos mais bem adaptados são, portanto, selecionados para aquele ambiente”.

Beto Pavão – Academia Espaço ELO