Número de reclamações na Black Friday cresce 17% em 2017 

(Foto: Celso Tavares/G1)

O número de reclamações dos consumidores contra as varejistas durante a Black Friday voltou a crescer em 2017 após dois anos em queda. É o que aponta um levantamento do site Reclame Aqui, que reúne queixas de internautas, e recebeu 3.503 reclamações de consumidores entre 18h de quinta-feira (23) até meia-noite de sábado (25), um volume 17% maior do que o registrado no evento de 2016.

A Black Friday é um dia de descontos organizado pelo varejo na última sexta-feira do mês de novembro, um dia após o feriado de Ação de Graças celebrado nos Estados Unidos. Pelo terceiro ano seguido, a propaganda enganosa lidera o ranking de reclamações do site – em 2017, esse foi o motivo de 13,5% das queixas. O Reclame Aqui informou também que recebeu muitas denúncias sobre sites falsos, fretes abusivos e mais caros que os produtos, além do tempo de entrega.

Veja abaixo o ranking dos principais motivos de reclamações da Black Friday em 2017:

Propaganda enganosa (13,5%)

Problemas na finalização da compra (9,6%)

Divergência de valores (8,8%)

Produto indisponível (3,8%)

Promoção (3,6%)

Empresas mais reclamadas

Na Black Friday deste ano, as reclamações foram mais pulverizadas entre as diferentes varejistas. As 10 empresas mais reclamadas reuniram 37,4% das queixas registradas no Reclame Aqui. No ano passado, 53% das queixas no site se referiam a compras feitas nas 10 empresas mais reclamadas.

Em 2017, o Magazine Luiza liderou o ranking de reclamação, com 263 registros no Reclame Aqui.

Veja abaixo a lista das 10 empresas mais reclamadas na Black Friday de 2017:

Magazine Luiza (263 reclamações)

Americanas.com (245)

Kabum! (173)

Casas Bahia (126)

Submarino (124)

Netshoes (88)

Extra (87)

Walmart (77)

Buger King (73)

Americanas – marketplace (54)

O que dizem as empresas

O Magazina Luiza infirmou que “tem uma equipe de 150 pessoas focada em responder as reclamações e questões. Assim, todos os clientes foram atendidos e tiveram solução para suas reclamações. A companhia ressalta que o volume de queixas é absoluto, e não percentual ao total de vendas. O Magazine Luiza recebe uma demanda altíssima de compras na Black Friday, com previsão da venda de mais de 500 mil itens. Assim, as reclamações correspondem a 0,04% das vendas”.

Em nota, a Netshoes informou que, para a Black Friday, “aumentou o número de colaboradores – representando mais de 800 novos profissionais distribuídos majoritariamente em Logística e Relacionamento com o Cliente -, dedicou mais de 16 mil horas de treinamento, redimensionou sua infraestrutura de tecnologia e também implantou 3º turno em suas instalações logísticas”. “Esse compromisso com o cliente é refletido em constantes conquistas de prêmios concedidos pelo mercado, inclusive com selos de credibilidade como o RA 1000 do próprio Reclame Aqui.”

A Via Varejo disse que as reclamações encontradas no Extra e na Casas Bahia “foram problemas pontuais e dúvidas de clientes, já em tratativa e solução com os mesmos”.

O Walmart.com disse que “como de praxe todas as reclamações são tratadas com prioridade, de acordo com nossos compromissos com o consumidor e ao seu tempo”. “Lembramos que acompanhamos todos organismos de referência relacionados a qualidade dos serviços juntos aos consumidores como fonte de melhoria dos nossos serviços”.

O Kabum! disse que está analisando todos os casos para atender 100% das demandas dos clientes o mais rápido possível. O site ressaltou que o número de reclamações em relação aos pedidos é baixo (menos de 0,5% do total), e mais de 90% das queixas referem-se ao esgotamento quase imediato de determinadas ofertas, já que o estoque promocional é limitado.

A B2W, dona dos sites Americanas.com, Americanas Marketplace e Submarino, não comentou.

O G1 procurou o Burger King e aguarda posicionamento.

Fonte: Portal G1