Novo aplicativo desenvolvido em Botucatu ajuda a combater casos de raiva em pessoas e animais

Pablo Nogueira – Jornal da Unesp

rhodesian ridgeback dog puppy second vaccination in vet clinic, vaccine injection, protection against illnesses

A raiva é uma das mais antigas doenças conhecidas pelo homem, com registros de casos que remontam à Antiguidade. A patologia é causada por um vírus, o Lyssavirus, e uma vez que os sintomas surgem na pessoa ou animal contaminado, o resultado é quase invariavelmente a morte. Estima-se que anualmente ela seja a causa de mais de 55 mil óbitos em seres humanos em todo o mundo.

Entre os animais, os cães domésticos são as vítimas mais comuns. No Brasil, entre 2010 e 2020, foram registrados 38 casos de raiva humana. Cientes do problema, dois pesquisadores da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp em Botucatu desenvolveram um pioneiro aplicativo para ajudar médicos e veterinários a encontrar informações para prevenir e tratar a doença.

Como projeto de pós-doutorado, a médica-veterinária Selene Daniela Babboni,  em parceria com o seu supervisor, o professor José Rafael Modolo, do Departamento de Produção Animal e Medicina Veterinária Preventiva da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, desenvolveu o RaivaMata, um aplicativo móvel que consegue apresentar, de forma rápida e didática, conhecimentos atualizados sobre procedimentos e condutas para combater a patologia em pessoas e em animais.

O novo software é gratuito, e já está disponível para o sistema operacional Android (a versão para iOS está sob revisão na loja da Apple, e não há previsão de liberação por enquanto).

Babboni começou a estudar a raiva ainda durante a época de residência médica, cursada sob orientação de Modolo. Ambos já acompanhavam com interesse as campanhas de vacinação anuais em cães e gatos que vivem em cidades. Posteriormente, ela se tornou coordenadora de saúde pública em Botucatu, e pode constatar a falta de um meio que propiciasse acesso fácil a informações sobre prevenção e tratamento.  “A área de saúde pública veterinária muitas vezes fica esquecida”, explica Babboni.

O aplicativo destina-se a todos os profissionais da área da saúde, tanto do setor público quanto do setor privado.  Aos médicos-veterinários que se deparem com cães e gatos suspeitos de raiva na clínica de atendimento, o app auxiliará tanto com informações sobre a doença quanto pelo esclarecimento de dúvidas sobre a conduta clínica do paciente, ofertando vídeo e formulário para download para a coleta e o envio de material para diagnóstico, além de links oficiais.

Na área da saúde pública humana, o aplicativo fornece informações clínicas e epidemiológicas precisas e direcionadas da raiva de cães e também de gatos, a fim de contribuir para o tratamento das vítimas humanas supostamente expostas ao vírus, uma vez que, diferentemente do que ocorre com os animais, não há vacinação preventiva para pessoas. “É imprescindível que os profissionais da saúde tenham esses conhecimentos para que possam utilizá-los na conduta profilática, onde a educação sanitária permanente tem considerável importância”, diz Selene Babboni.

Crédito da foto acima: Olga Gorovenko/iStock