Nova alta dos combustíveis cria clima de incertezas entre motoristas de App

Geral
Nova alta dos combustíveis cria clima de incertezas entre motoristas de App 13 março 2022

Combustível representa de 40% a 50% dos custos fixos dos motoristas de aplicativo e alta de preços anunciada pela Petrobras na quinta-feira já apareceu nos postos. Empresas anunciaram medidas de apoio.

A notícia da última quinta-feira (10) de um novo e agressivo reajuste no preço dos combustíveis caiu como uma bomba nos grupos de conversas de motoristas de aplicativo.

O sentimento é que ficará ainda mais difícil trazer rentabilidade ao trabalho, e alguns voltaram a pensar em desistir e procurar outro emprego. Quem fica, promete selecionar ainda mais as corridas que tragam retorno.

“O certo é, o mais rápido possível, seguir outra fonte de renda. App já deu, já foi bom”, diz um dos motoristas.

Além de lamentar o novo aperto, muitos compartilham onde estão abastecendo e os preços encontrados. Apesar do reajuste ter entrado em vigor na sexta-feira, nas refinarias, são inúmeros relatos de postos de gasolina que aproveitaram a notícia para subir os valores nas bombas mesmo antes de receberem combustíveis com os novos preços.

“Desse jeito, vamos ter que vender o carro para comprar gasolina. App já não está compensando, principalmente para quem paga aluguel [do automóvel]. Hoje a desculpa é a guerra, cada dia é uma desculpa”, diz a mensagem de outro motorista.

Prints das conversas de motoristas de aplicativos mostram desânimo com aumento do preço dos combustíveis — Foto: Arte g1

O g1 acompanha a situação dos motoristas desde julho de 2021, quando houve o primeiro repique de preços da gasolina e etanol. Foi ali que usuários das principais plataformas começaram a perceber a prática de cancelamento constante de corridas por parte dos motoristas, que buscavam viagens mais rentáveis.

Segundo os profissionais, o combustível representa de 40% a 50% dos custos fixos dos motoristas, que ainda sofrem descontos da taxa paga aos apps, que varia de 20% a 40% a cada corrida. Alguns, que alugam o carro para trabalhar, precisam pagar prestações mensais.

Desde o início, o pleito da categoria era de que as empresas baixassem o percentual da taxa, para que a margem aumentasse. No início de setembro, os aplicativos de transportes Uber e 99 anunciaram aumento dos valores repassados para os motoristas, mas a situação não chegou a se normalizar.

No fim daquele mês, a Uber decidiu excluir motoristas da plataforma pelos cancelamentos constantes. A empresa diz que foram 1,6 mil profissionais retirados da plataforma.

Francisco Peixoto Neto foi excluído da plataforma em setembro; ele continua trabalhando com a 99 — Foto: Arte/G1/Arquivo pessoal

Francisco Peixoto Neto foi um dos excluídos, mas segue trabalhando pela 99. Ele diz que a nova alta deve trazer de volta a prática de recusar corridas, em especial as mais curtas – que os motoristas chamam de “pescoço”.

“A gente quer saber o que as plataformas vão fazer. Se for para excluir os motoristas, vão acabar excluindo todo mundo”, diz Peixoto.

Para Rosemar Pereira, mais um aumento deve trazer novo abalo para a categoria. Já desconfortável com o aumento dos combustíveis, ele trocou de carro no fim de 2021 para um modelo movido a GNV.

“Fiz esse investimento quando o movimento parecia melhorar, agora já não sei se vou me arrepender. Só esse aumento já deve tirar 10% da renda que faço no trabalho”, afirma.

Com alta dos combustíveis, Rosemar Pereira comprou carro novo para mudar para o GNV — Foto: Arquivo pessoal

Segundo Eduardo Lima de Souza, presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativo de São Paulo (Amasp), a entidade pediu reunião com as plataformas para discutir a questão de reajuste de tarifa.

“Antes desse aumento, o motorista já trabalhava de forma estrangulada. Desde 2019 é preciso trabalhar 12h para fazer o rendimento”, afirma Souza.

O que dizem as empresas?

O g1 procurou a 99 e Uber para saber se as plataformas pretendiam atender à principal reclamação da categoria, que é a redução da taxa sobre as corridas.

A 99 diz que está “extremamente atenta à situação do país” e criou programas específicos para reduzir o impacto da crise econômica e dos reajustes dos combustíveis. A empresa anunciou no fim da tarde de sexta-feira que vai reajustar em 5% o quilômetro rodado no ganho do motorista de todo o país.

“Este acréscimo será implementado já nos próximos dias, em todas as 1.600 cidades onde a empresa opera no País. Sabemos que cada km conta”, diz o comunicado.

“Paralelamente, a plataforma está testando uma solução de subsídio para acompanhar automaticamente as flutuações dos combustíveis, tanto para cima quanto para baixo. Após os testes, o novo recurso teria o potencial de trazer ainda mais transparência e segurança aos parceiros”, segue o texto.

A Uber afirmou que vai elevar em 6,5% o valor das corridas de forma temporária. “O aumento também visa a ajudar os motoristas a lidar com o pico de alta em seus custos operacionais. Como sempre, os usuários poderão conferir no app as modalidades disponíveis e o preço exato antes de pedir uma viagem”, diz nota da empresa.

O aplicativo promete investir R$ 100 milhões no Brasil nas próximas semanas em iniciativas “voltadas ao aumento nos ganhos e redução dos custos dos parceiros”. A companhia não descreveu quais serão as iniciativas.

Fonte: G1

Compartilhe esta notícia
Oferecimento
BERIMBAU INST DESK
Oferecimento