Governo de SP diz que vai endurecer quarentena na quarta-feira

 

Profissionais da saúde atuam no tratamento de pacientes com Covid-19 em hospital de Ribeirão Preto, SP — Foto: Reprodução/EPTV

O estado de São Paulo registrou nesta segunda-feira (22) o maior número de pacientes internados em UTI com Covid-19 desde julho de 2020. Segundo dados da Secretaria da Saúde, são 6.410 pacientes em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). O total é o segundo maior desde o início da pandemia, superado apenas pelo dia 5 de julho, quando 6.416 pacientes estavam internados em leitos de UTI no estado.

Para o comitê de saúde do governo, o aumento atual está relacionado a um maior período de internação dos pacientes, o que pode sugerir uma maior gravidade da doença entre os contaminados no estado.

Por conta disso, o comitê de saúde apresentou ao governo estadual novas restrições para reduzir a movimentação de pessoas, que devem ser anunciadas na quarta-feira (24) e começar a valer a partir desta sexta (26). As restrições novas iriam além do que prevê o Plano São Paulo, que divide o estado em sub-regiões e determina restrições diferentes de acordo com a fase da quarentena em que se encontra cada área.

O coordenador-executivo do comitê de saúde do governo, João Gabbardo, disse que as novas recomendações de restrições foram apresentadas ao governo nesta segunda.

“O centro de contingência apresentou hoje ao governador algumas recomendações extraordinárias, além daquilo que está previsto no Plano são Paulo. O governo está fazendo a análise dessas recomendações, e essas medidas serão anunciadas na quarta-feira, para já começarem a valer na sexta-feira”, disse Gabbardo.

Recorde de pacientes em UTI

Nesta segunda-feira (22), o secretário de Saúde disse, em entrevista a jornalistas, que o total de pacientes internados em UTI registrado atualmente é o maior desde o início da pandemia.

No entanto, em 5 de julho, o próprio governo estadual divulgou um número superior, de 6.416 pessoas em UTIs no estado, em comunicados oficiais enviados à imprensa.

Fonte: Portal G1