Faturamento dos pequenos negócios sobe em todos os setores e regiões do Estado em março

Março trouxe boas notícias para o empreendedor. Micro e pequenas empresas (MPEs) e Microempreendedores Individuais (MEIs) de todos os setores e regiões do Estado de São Paulo registraram elevação do faturamento no mês na comparação com março de 2017, de acordo com a pesquisa Indicadores, do Sebrae-SP.

O faturamento das MPEs paulistas foi 9,6% maior em março deste ano em relação a março do ano passado, já descontada a inflação. Foi a 13ª expansão seguida do índice no confronto com igual mês do ano anterior e também o melhor março desde o início da crise econômica, no segundo trimestre de 2014. A receita total das MPEs no período ficou em R$ 67 bilhões.

“Com 13 meses consecutivos de recuperação de receita, e agora em todos setores e regiões do Estado, os pequenos negócios começam a respirar. Mantidas as condições atuais de temperatura e pressão – inflação controlada e baixa, queda dos juros, controle das contas públicas – a roda da economia vai ganhar mais velocidade, garantindo a continuidade dos resultados positivos”, afirma o presidente do Sebrae-SP, Paulo Skaf.

Por setores, considerando sempre março de 2018 sobre o mesmo mês do ano passado, os aumentos de receita das MPEs foram de 13,7% no comércio, 7,2% nos serviços e 1,3% na indústria. O Grande ABC foi o destaque na análise por regiões com crescimento de 33,1% no faturamento em março ante igual mês de 2017. Há de se considerar que o aumento expressivo ocorreu por conta da base fraca de comparação, pois, para as MPEs do Grande ABC, março do ano passado foi o pior março da série histórica, iniciada em 1999.

As MPEs do município de São Paulo registraram avanço de 18,9% no faturamento na mesma comparação. As MPEs localizadas na região metropolitana de São Paulo tiveram alta de 16,3% e as do interior, 2,8%. Com esses resultados, as MPEs fecharam o primeiro trimestre de 2018 com expansão no faturamento real de 8,9% em relação aos três meses iniciais de 2017.

Empregos e salários

A folha de salários pagos nas MPEs do Estado aumentou 2,4% no confronto de março sobre o mesmo período do ano passado. Também cresceu o rendimento dos empregados nas MPEs, 8%. Apenas o pessoal ocupado nesses negócios não seguiu no mesmo ritmo, ficando praticamente estável, com variação positiva de 0,1%.

Microempreendedor Individual

O faturamento dos MEIs paulistas registrou em março aumento de 20% ante igual mês de 2017, representando a nona elevação consecutiva no valor das vendas. A receita total da categoria no período foi de R$ 4,5 bilhões. O setor com melhor desempenho foi o comércio, com alta de 25,8%, seguido pelos serviços, cuja elevação foi de 18,4% e pela indústria, com aumento de 13,8%.

Os MEIs da região metropolitana registraram crescimento de 23,6% no faturamento, no período, e os do interior viram seus ganhos aumentarem em 16%.

Expectativas

A pesquisa mostrou empreendedores um pouco mais cautelosos do que há um ano. Para o faturamento das MPEs nos próximos seis meses, em abril, 47% afirmaram esperar manutenção na receita, ante 48% de um ano antes, e 32% acreditam em aumento (eram 37% em 2017). Já o nível de incerteza quanto à evolução do faturamento da empresa aumentou. Os que dizem não saber como evoluirá a receita da empresa passou de 9% em abril de 2017 para 16% agora.

Sobre a economia brasileira, 49% dos donos de MPEs aguardam estabilidade nos próximos seis meses ante 50% há um ano, e 25% falam em melhora, sobre 29% em abril de 2017. Já 8% creem que a economia irá piorar (11% em 2017), e 18% disseram que não sabem, ante 10% há um ano. Assim, houve aumento expressivo no nível de incerteza quanto à evolução da economia.

Entre os MEIs, as expectativas para o faturamento nos próximos seis meses mostram que 45% deles contam com melhora em relação a 51% em abril de 2017. Outros 42% aguardam estabilidade, ante 39% há um ano, 9% esperam diminuição na receita e 4% não sabem como evoluirá seu faturamento. Assim, os MEIs têm expectativas de aumento para a receita da empresa, na comparação com o mesmo período de 2017.

No que diz respeito à economia brasileira, em abril, 46% dos MEIs disseram esperar estabilidade nos próximos seis meses; há um ano esse grupo era de 38%. Para 36% haverá melhora (44% em abril de 2017) e 13% veem piora, um pouco menos do que os 16% de há um ano.

A pesquisa

A pesquisa Indicadores Sebrae-SP foi realizada com apoio da Fundação Seade. Foram entrevistados 1,7 mil proprietários de MPEs e 1 mil MEIs do Estado de São Paulo durante o mês de referência. No levantamento, as MPEs são definidas como empresas de comércio e serviços com até 49 empregados e empresas da indústria de transformação com até 99 empregados, com faturamento bruto anual até R$ 4,8 milhões. Os MEIs são definidos como os empreendedores registrados sob essa figura jurídica, conforme atividades permitidas pela Lei 128/2008. Os dados reais apresentados foram deflacionados pelo INPC-IBGE.