Estresse pode deixar os cabelos brancos, diz estudo

Ficar estressado pode deixar os cabelos brancos. A conclusão é de uma pesquisa de cientistas da Universidade de Harvard em parceria com a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), publicado nesta quarta-feira (22) na revista científica “Nature”.

Por dois dias, ratos foram expostos em laboratórios a estresse intenso causado por dor aguda. “Cerca de quatro semanas depois, apareceram pelos brancos nos ratos”, explica o pesquisador do Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias da FMRP-USP, Thiago Mattar Cunha.

Isso acontece porque, segundo a descoberta dos cientistas, há ligação entre o sistema nervoso e as células-tronco do bulbo capilar, responsáveis pelo pigmento do cabelo.

“Quando estamos sob estresse, é acionado o nosso sistema sintático, conhecido como ‘sistema de luta e fuga’, responsável por gerar ações como aumentar o fluxo sanguíneo nos músculos ou aumentar os batimentos cardíacos quando estamos estressados”, explica Cunha.

“A base do bulbo capilar tem células-tronco que produzem as células responsáveis pelo pigmento do cabelo. Quando o sistema de luta e fuga é acionado pelo estresse, ele libera noradrenalina, que afeta as células-tronco, que param de produzir as células responsáveis pelo pigmento.”

Histórias populares que relacionam estresse com o surgimento de cabelo branco ajudou a orientar a hipótese da pesquisa, de acordo com um dos autores do estudo, o professor de células-tronco e Biologia Regenerativa em Harvard, Ya-Chieh Hsu.

Apesar dos ratos do experimento terem sofrido estresse agudo, que pode ser comparado com casos de estresse pós-traumático, Cunha explica casos de estresse mais moderados também podem causar cabelo branco. “Independente do tipo e intensidade do estresse, ele poderá causar cabelo branco, só que em menor quantidade.”

Conhecimento popular

Histórias populares que relacionam estresse com o surgimento de cabelo branco ajudou a orientar a hipótese da pesquisa, de acordo com um dos autores do estudo, o professor de células-tronco e Biologia Regenerativa em Harvard, Ya-Chieh Hsu.

“Todo mundo tem uma história para compartilhar sobre como o estresse afeta seu corpo, principalmente a pele e o cabelo, que são os únicos tecidos que podemos ver do lado de fora”, disse Hsu em uma nota de divulgação.

“Queríamos entender se essa conexão é verdadeira e, em caso afirmativo, como o estresse leva a alterações em diversos tecidos. A pigmentação capilar é um sistema tão acessível para começarmos [a pesquisar sobre]. Além disso, estávamos genuinamente curiosos para ver se o estresse realmente leva ao envelhecimento dos cabelos.”, explicou Hsu.

 

No paper publicado nesta quarta, há as anedotas da rainha francesa Maria Antonieta, que teria ficado de cabelos brancos durante a noite em que foi capturada na Revolução Francesa e mandada à guilhotina, e a história de John McCain, ex-candidato à presidência dos EUA, que teria ficado grisalho depois de ser prisioneiro de guerra durante a Guerra do Vietnã.

Estresse e doenças

O pesquisador brasileiro conta que não estudava o efeito do estresse no corpo quando fez a descoberta dos cabelos brancos. “Sou membro de um grupo de pesquisa que trabalha com a dor. Começamos a observar que os ratos apareciam com pelos brancos depois de serem expostos à dor. Não sabíamos o porquê isso acontecia.”

Em 2018, Cunha passou um ano como professor visitante na Escola de Medicina de Harvard. “Lá, eu descobri que os pesquisadores tinham os mesmos resultados que os nossos. Decidimos fazer novos experimentos nos laboratórios de Harvard para entender o porquê desses pelos brancos nos ratos.”

Os resultados obtidos são importantes porque avançam na busca da Ciência em entender como o estresse afeta o funcionamento dos tecidos, órgãos e células importantes do corpo.

“Será que o estresse pode afetar a produção de células troncos na medula óssea? Será que pode afetar a imunidade? Como o estresse afeta o sistema gastro-intestinal? São coisas que precisamos estudar”, afirma Cunha.

O modelo desenvolvido na pesquisa, segundo Cunha, “será importante para se estudar a relação do estresse com doenças”.

O professor de Imunologia em Harvard, Isaac Chiu, um dos autores, explicou em nota que pouco se sabe sobre como o sistema nervoso regula as células-tronco, mas, “com este estudo, agora sabemos que os neurônios podem controlar as células-tronco e suas funções.”

“Entender como nossos tecidos mudam sob estresse é o primeiro passo crítico para um eventual tratamento para interromper ou reverter o impacto prejudicial do estresse. Ainda temos muito a aprender nessa área”, afirmou Chiu em nota.

Ainda durante o estudo, Cunha afirma que, ao raspar os pelos dos ratos, também foi observado manchas brancas na pele dos animais, indicando para uma relação entre o estresse e a pigmentação da pele.

Fonte: Portal G1