Estado de SP começa a vacinar pessoas de 30 a 39 anos com comorbidades e deficiências nesta quarta-feira, 02

O Governo de SP está ampliando a partir desta quarta-feira (2) a vacinação contra COVID-19 para pessoas com comorbidades e deficiências permanentes com idade entre 30 a 39 anos. Este público totaliza 1,2 milhão pessoas que possuem doenças crônicas e deficientes contemplados com o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC).

Na ocasião em que comparecer ao posto de saúde, qualquer pessoa com comorbidades e que faz parte das faixas etárias já anunciadas deve apresentar comprovante da condição de risco por meio de exames, receitas, relatório ou prescrição médica. Os cadastros previamente existentes em Unidades Básicas de Saúde (UBS) também podem ser utilizados.

Já as pessoas com deficiência permanente precisam apresentar o comprovante do recebimento do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC).

O site para o pré-cadastro no Vacina Já é www.vacinaja.sp.gov.br. A iniciativa leva cerca de um minuto, reduzindo em até 90% o tempo de atendimento presencial, que pode chegar a 10 minutos na coleta de informações. A ação pode ser efetuada também por WhatsApp: basta adicionar o número +55 11 95220-2923 à lista de contatos e enviar um “oi”, ou clicar no link wa.me/5511952202923?text=oi. O assistente virtual oferece as informações necessárias.

A Secretaria de Estado da Saúde enviou na última semana para a avaliação do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) uma lista dos 100 profissionais médicos que mais emitiram laudos, exames e receitas médicas para a vacinação de pessoas com comorbidades. O objetivo da medida é identificar possíveis fraudes no processo de vacinação destes grupos.

O levantamento faz parte de uma auditoria interna e do sistema de monitoramento de cadastro das pessoas que tomaram a vacina da pasta estadual.

O sistema Vacivida do Governo de SP permite que as unidades de saúde insiram o CRM do médico responsável pela emissão do laudo, receita médica ou atestado para validação da comorbidade. A medida é mais uma alternativa que visa frear tentativas de fraudes ou emissão de laudos indiscriminados, bem como apurar situações atípicas que possam acontecer neste período.

O Cremesp também forneceu para a Secretaria de Estado da Saúde a lista de todos os CRMs ativos e inativos do estado. A medida vai permitir um aprimoramento da ferramenta VaciVida, que emitirá alertas para as unidades básicas de saúde com relação aos CRMs inválidos.