Emília Tavares: entre bolos e cabelos

 

Nesta edição, o Jornal Nosso Bairro vai contar as recordações de Emília Tonelli Tavares, (91). Uma pessoa que transborda ternura e amor para todos a sua volta. Mãe de Antônio Carlos Tavares, Luis Roberto Tavares e Diógenes Tavares, avó de cinco netos e uma bisneta.

Moradora do bairro há mais de 50 anos, Emília foi uma das pioneiras na região a ter um salão de beleza. Começou a trabalhar profissionalmente como cabelereira aos 22 anos. Orgulha-se em dizer que fez seus cursos profissionalizantes, em São Paulo.

Muito requisita, suas clientes vinham de outros municípios para fazer permanente, que na época era a sensação do momento. “Meu salão era aqui na minha casa. Fazia muito permanente e enrolava bob nos cabelos das mulheres. Não vencia de tanto serviço que eu tinha”, comenta.

Além de cabeleireira, Emília era uma das mais requisitadas boleiras de noiva da região. Ela perdeu as contas de quantos bolos já fez para festas de casamentos. Uma característica de seus bolos era a decoração, principalmente as flores que ela fazia para deixar o doce ainda mais bonito.

“Depois das 18 horas, eu mudava de profissão e varava a noite preparando as encomendas que eu tinha. Sempre que ia para São Paulo ficava olhando as vitrines das docerias e fui aprender a fazer as decorações que eu achava tão bonita. Eu amava decorar os bolos”, afirma.

A aposentada continua: “As pessoas vinham aqui em casa para fazer as encomendas. A criançada sempre vinha brincar com os meus filhos e comer um pedaço de bolo. Sempre fazia uma assadeira para deixar para a molecada. Eu os agradava com meus bolos. Sempre gostei de estar cercada de gente”, diverte-se.

A Fazenda Santana também foi cenário de boas recordações por ter sido um local de lazer da família de dona Emília. “Lembro que eu e meu marido Antônio íamos com as crianças. Lá tinha uma lagoa onde eles brincavam e nós ficamos de olho. Levava uma cesta cheia de frutas e depois, embaixo de uma grande árvore que existia no local, fazíamos piquenique com eles. Bons tempos”, lembra.

Emília ainda contou que o Campo do Sete ficava localizado na Avenida Camilo Mazzoni, onde hoje é uma madeireira. O armazém da antiga Fepasa também foi citado. “Lembro que fazia as compras no armazém e depois vinha uma carrocinha entregar as compras aqui em casa. Tinha o padeiro Dori, que vinha com uma perua entregar os pães para nós”, detalha.

A boa relação entre os vizinhos é outra marca registrada da época. “Meus vizinhos eram como se fosse uma família. Na época as casas eram divididas por cerca de arame, não existia muro. No final da tarde, a gente sentava em frente de casa para conversar e as crianças brincarem”, recorda-se.

Emília encerra a entrevista falando sobre a “famosa” farmácia do seu Pedrinho, onde hoje é a Farmácia Aparecida na esquina entre as ruas Major Matheus e Brás de Assis. “Lembro que seu Pedrinho era como um médico para nós. Quando tínhamos alguma dor corríamos para a farmácia para ele nos orientar”, conclui.