Embraer e Boeing podem criar um KC-390 de nova geração

No acordo para formular a nova joint-venture, a Boeing e a Embraer incluíram o KC-390, como forma de melhorar a divulgação da aeronave no mercado internacional, pois a Boeing agora cuidará da parte de marketing e comunicação com os clientes do exterior.

Porém o acordo entre as empresas inclui modificações na aeronave, possibilitando criar um novo KC-390 no futuro, com várias tecnologias que ainda vão surgir, com finalidade de aumentar a qualidade geral da aeronave.

A reformulação de alguns pontos da aeronave é um quesito necessário para aumentar a atratividade para cada cliente, que poderá equipar o avião da Embraer com os equipamentos que desejar, a depender da funcionalidade que o país deseja dar para o KC-390.

“A maior parte (da colaboração) será de vendas e marketing do programa”, disse Greg Smith, diretor financeiro da Boeing. “Mas vamos colaborar nas próximas gerações e modificações que serão necessárias para abrir esse mercado para o KC-390”.

Como exigido pela Força Aérea Brasileira, a Embraer ainda continuará independente na direção do programa KC-390, visto que a empresa deseja manter fatores da soberania nacional, tanto de tecnologia como de fabricação.

Somente a Força Aérea Brasileira e Portugal se interessaram pela aeronave até o momento, com 33 aeronaves encomendadas.

O Embraer KC-390

A Embraer segue para finalizar o desenvolvimento do KC-390, culminando também com a entrega da primeira aeronave até o final de 2018. De acordo com a empresa, os incidentes que ocorreram recentemente não atrapalharam o desenvolvimento da aeronave.

Ao longo de 2018 a Embraer prevê a emissão do Certificado de Tipo final pela ANAC, bem como a realização de ensaios em voo de diversas funcionalidades militares, incluindo testes remanescentes de reabastecimento aéreo, lançamento de cargas e outros, visando o atingimento da Capacidade Final de Operação (Final Operational Capability – FOC), objeto da certificação militar final da aeronave.

O KC-390 é capaz de executar diversas missões, como transporte de carga, lançamento de tropas ou de paraquedistas, reabastecimento aéreo, busca e salvamento, evacuação aeromédica e combate a incêndios, além de apoio a missões humanitárias.

A aeronave pode transportar até 26 toneladas de carga a uma velocidade máxima de 470 nós (870 km/h), além de operar em ambientes hostis, inclusive a partir de pistas não preparadas ou danificadas.

Trata-se de um projeto da Força Aérea Brasileira (FAB) que, em 2009, contratou a Embraer para realizar o desenvolvimento da aeronave. De acordo com a Embraer, a campanha de testes do KC-390 está avançando de forma extremamente satisfatória, atendendo todos os requisitos da aeronave e validando os objetivos de desempenho e capacidade previstos por meio do uso de avançadas ferramentas de engenharia.

Fonte: Defesa Aérea e Naval