Em caso de incêndio, corra e saia do local o mais rápido possível

Incêndio é uma situação de fogo não controlado, que pode ser extremamente perigosa. A exposição a um incêndio pode produzir a morte, geralmente pela inalação dos gases tóxicos ou posteriormente pelas queimaduras.

Nem todos os fogos podem ser considerados incêndios, este é, no entanto, um tema que o senso-comum tem ao longo dos séculos banalizado de forma a que praticamente qualquer foco de fogo tem sido visto como “incêndio”. O Incêndio para ser caracterizado como tal tem que possuir certos fatores inerentes ao mesmo para ser considerado como incêndio. Vamos nos ater a fumaça.

O volume e densidade implica diretamente no tempo que temos para sair e respirar ar fresco, lembrando que sempre iremos prender o folego ao sair de local envolto em fumaça. Se você teve treinamento de combate a incêndio, não se entusiasme ou tente ser herói, apenas corra e saia o mais rápido possível.  A ênfase em sair do local visa proteger sua vida, tentar combater incêndio não pode ser feito no local.

Necessário e desejável se agrupar em local seguro, onde as decisões sobre o que fazer serão tomadas. Simplesmente saia do local, ande, caminhe ou corra, mas procure a saída mais próxima, seja você um usuário da empresa, brigadista ou bombeiro, a lei não obriga ninguém, a não ser os Bombeiros Militares, a combater, pois implica o risco de morte.  Mesmo entre brigadistas treinados e como determina a lei, no caso de SP o Decreto. Estadual 56819/11 na sua instrução técnica 17, que diz “..5.2.4 Possuir bom conhecimento das instalações, devendo ser escolhidos preferencialmente os funcionários da área de utilidades, elétrica, hidráulica e manutenção geral;” somente para aquela edificação onde possui conhecimento  da planta.

Em um estudo recente na Universidade de Coimbra demonstra que 59 % DAS PESSOAS entram e pânico em locais com fumaça proveniente de incêndios, não conseguindo tomar decisões ou mesmo raciocinar. Havendo consenso prévio sobre treinamento de evacuação de emergência as pessoas terão mais capacidade de buscar as saídas de emergência. Ênfase total a este tipo de treinamento, o que deixara confuso instrutores que ainda encorajam ou mesmo desafiam seus alunos a apagar focos de incêndio em simulados com combustíveis em toscos compartimentos. Ou mesmo exigindo a capacidade de passar por situações de claustrofobia envolvendo fumaça. Nada mais incorreto. Deve se orientar a saída do local sempre.

Jose Eduardo Da Silva Subtenente PM – Corpo de Bombeiros, Instrutor de resgate e emergências medicas para Bombeiros Militares. Instrutor pela Universidade do Texas – USA para Bombeiros de acordo com a Norte Fire Protecion Association (NFPA) 1041. Instrutor de brigada de Incêndio de acordo COM ABNT  NBR 14276

Proprietário da Dr. Incêndio e Sargento Da Silva GSI.

 

REFERÊNCIAS  1. [1]  SPE Engineering – Guide to Human Behavior in Fire. Society of Fire Protection Engineers, Bethesda, 2003.