Em Barra Bonita, Alckmin fala sobre duplicação da SP-255

 

Foto cedida por Cléber Novelli

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta quinta-feira, dia 23, durante visita em Barra Bonita, o contrato de concessão para a Rodovia SP-255, no trecho que passa pela região entre São Manuel até Jaú, um dos mais perigosas do estado. A empresas Arteris será a responsável pelo trecho.

A empresa inclusive já se instalou em Barra Bonita, um dos motivos da ida do governador até a cidade. A Arteris arrematou o lote ‘Rodovias dos Calçados’ em abril deste ano, quando ofereceu R$ 1,213 bilhão para a primeira parcela da outorga, um ágio de 438,17% em relação ao valor mínimo estipulado para a disputa, de R$ 225,483 milhões.

Serão mais de 100 quilômetros duplicados SP-255 em nossa região, trecho que passa por São Manuel, Barra Bonita, Jaú, em direção a região de Araraquara. Haverá, segundo o contrato, praças de pedágios entre Jaú e Araraquara e Jaú e Barra Bonita, embora o governador tenha declarado em entrevista coletiva que em um primeiro momento não existirá a cobrança.

Barra Bonita será o centro de controle operacional com 10 ambulâncias, 8 guinchos, 6 veículos operacionais, 10 bases de serviço ao usuário. Durante discurso na Barra Bonita nesta quinta-feira, Alckmin falou sobre valores e geração de emprego.

“Nós vamos dar prioridade para a contratação de pessoas aqui dos municípios. Já são 250 pessoas contratadas e no auge das obras teremos mais de 2 mil empregos. E nos primeiros 10 anos de concessão, serão 3,3 bilhões investidos ao longo da concessão.  De tudo o que é pago, 5% são para as prefeituras. Não é sobre o lucro, é sobre o faturamento, o ISS.

Ao todo, a rodovia envolve investimentos de R$ 5 bilhões ao longo de 30 anos de concessão – R$ 2,4 bilhões são referentes à restauração e conservação da via, enquanto outro R$ 1 bilhão terá como destino obras de ampliação da malha rodoviária.

De acordo com as estimativas, as prefeituras municipais devem recolher R$ 29,2 milhões em Impostos sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS-QN), que incidem sobre os serviços e obras da concessão, somente nos dois primeiros anos de contrato, e até o seu final mais de R$ 3 bilhões.

As obras de ampliação se iniciam já no primeiro ano do contrato com investimentos previstos de R$ 443 milhões. Desses recursos, R$ 147 milhões fazem parte do Programa Intensivo Inicial (PII) que contempla obras e serviços no pavimento, sinalização e área de domínio da rodovia para adequar o trecho aos padrões do Programa de Concessões Rodoviárias do Estado, que elevaram as rodovias paulistas como as melhores do país.