Doria sinaliza privatização da Sabesp se marco regulatório do saneamento for aprovado


O governador de São Paulo, João Doria, reforçou nesta terça-feira (28) que a Sabesp, companhia de saneamento básico do estado, deve ser privatizada caso o novo marco regulatório do saneamento seja aprovado no Congresso. Na hipótese contrária, a empresa, que é controlada pelo governo estadual, mas tem ações em bolsa, fará uma capitalização.

“Se for aprovado o marco regulatório, São Paulo, sim, vai estudar a concessão da Sabesp. Se houver uma situação contrária, capitalização será feita. Isso já está decidido”, afirmou, em evento promovido pelo banco Credit Suisse em São Paulo.

Em dezembro do ano passado, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto que estabelece o novo marco legal do saneamento básico. Agora, caberá ao Senado votar o novo marco, o que deve ocorrer no início deste ano. Se o Senado aprovar o texto enviado pela Câmara, o projeto seguirá para sanção do presidente Jair Bolsonaro. Se os senadores modificarem a proposta, o novo marco retornará à Câmara.

O novo marco estabelece regras para o setor e abre caminho para a exploração do serviço pela iniciativa privada.

Doria elogiou o texto do projeto aprovado pela Câmara e o classificou como “correto, bem elaborado e bem estudado”. Para o governador, é impossível ampliar o acesso dos brasileiros a água tratada e coleta de esgoto apenas com dinheiro público, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste.

“Temos 87% da rede em São Paulo já coletada, tratada e distribuída. Há estados brasileiros onde isso não chega a 30%. Não há a menor hipótese de fazer isso sem investimento privado”, disse.

Expansão

De acordo com Doria, a privatização da Sabesp permitiria à companhia expandir sua atuação para outros estados.

“Já definimos que a nossa posição como governo, é um governo privatizante, desestatizante, pró-privado e menos governo. Portanto, a Sabesp, mesmo sendo uma empresa bem administrada, que produz resultados, ela poderá, sim, ser privatizada se o marco regulatório permitir”, reforçou a jornalistas.

Doria admitiu que as declarações têm potencial de influenciar o preço das ações da empresa, mas disse que sua posição sobre o assunto já é conhecida do mercado.

“Ela é cotada em bolsa e o que acionista majoritário fala reflete nas ações da companhia, mas todos sabem qual é a nossa posição, é pró-mercado e não pró-público.”

Após a fala de Dória, as ações da Sabesp ampliaram a alta na B3 e, por volta das 17h, eram cotadas a R$ 64,4, com alta de 4,5%.

Fonte: G1