Disney inova com a tecnologia deepfake em seus longas-metragens

O empório Disney anunciou a sua audiência há poucos dias que vai lançar um projeto no qual se aplicará tecnologia deepfake para a produção de suas novas longas-metragens. A indústria Disney e sua equipe de pesquisadores desenvolveram esta tecnologia para aplicá-la em suas próximas produções audiovisuais.

A tecnologia deepfake ainda tem muito a explorar, é um método emergente de especial relevância no campo das produções de áudio e vídeo nas últimas na última década.

Disney decidiu dar um novo impulso a esta tendência, focando-se na qualidade e resolução das imagens, com o propósito de se juntar à produção de conteúdo deepfake.

Os pesquisadores da empresa que criou Mickey Mouse anunciaram a adição de melhorias nos deepfakes com base em um aumento na quantidade de megapixels no vídeo.

A maioria das redes de código aberto tem uma resolução de 256 * 256 pixels, mas os especialistas da indústria do entretenimento não se conformaram com esta opção e adicionaram mais resolução alcançando melhor qualidade com uma resolução de 1024 * 1024.

Os especialistas em vídeo da Disney Resort Studios aumentaram a resolução com o objetivo de melhorar os detalhes internos do vídeo e reduzir ao mínimo, quase imperceptível, os erros no vídeo. Alegam que foi executado dessa forma para que ele pudesse se expandir em uma tela gigante.

A multinacional mostrou a utilidade do programa e sua qualidade, substitui o rosto de uma pessoa pela de outra conservando as expressões faciais. Ao ver este tipo de vídeo na tela grande você pode ver grande semelhança com as imagens reais, exceto por uma diferença mínima em relação à luz e ângulo de visão.

Como resultado final você obtém uma excelente definição de conteúdo, o que significa um grande avanço neste tipo de tecnologia. No entanto, os especialistas afirmam que este tipo de projetos poderia ser alargado com êxito ao sector comercial.

Por enquanto, apenas os rostos digitalizados estão disponíveis em protótipos, e efeitos visuais tradicionais, mas este tipo de tecnologia poderia agilizar a tarefa, economizar tempo e recursos para as produtoras, porque se poderiam obter réplicas em pouco tempo.

Imagens e rostos idênticos

As redes de geração antagônicas podem afinar os algoritmos para substituir rostos de uma maneira eficiente tendo como resultado uma imagem de qualidade e bastante realista. Com este software não se requer investimentos em processadores complexos e alta potência, nem de muito tempo de execução nos vídeos.

O conjunto de pesquisadores da Disney desenvolveu uma nova forma de copiar um rosto e trocá-lo por outro em um vídeo, os efeitos impressionam verdadeiramente os espectadores porque no vídeo é visível uma réplica idêntica em relação ao original, O que fala da capacidade e eficiência desta ferramenta.

A tecnologia do futuro

Sem dúvida Disney dá um passo para o futuro com esta nova tecnologia, aplica inteligência artificial para reproduzir novos rostos no cinema. As aplicações tradicionais tornam-se obsoletas diante deste avanço, uma mudança que pode ser produtiva no âmbito das artes cênicas.

O exemplo mais evidente é o filme Star Wars, longa-metragem que trouxe de volta à vida a atriz Carrie Fisher, uma personagem necessária na saga de ficção. Não se trata de uma tecnologia que possa contribuir com recursos, procura imortalizar as estrelas lendárias do passado na tela grande.