Cursos de Férias da Unesp Botucatu estão com inscrições abertas

Estudantes do Ensino Médio, de escolas públicas de Botucatu e região, já podem se inscrever gratuitamente em um dos seis cursos de férias organizados para ocorrer de 28 de janeiro a 2 de fevereiro de 2019, dentro do Instituto de Biociências da Unesp, câmpus Botucatu. Para participar, os interessados devem acessar o site do IB [ibb.unesp.br], clicar na seção “Extensão” e, na sequência, “Cursos de Férias no IB”.

O jovem deverá preencher um formulário com seus dados pessoais e selecionar um dos cursos disponíveis: “Experimentando Genética”, “Investigando a Vida das Plantas”, “Reprodução de A a Z”, “Virando a Célula do Avesso”, “Do amarelão às picadas de cobra: um passeio pelas doenças tropicais” e “A Ciência por trás das Jaulas e Gaiolas”.

O formulário poderá ser enviado pelos Correios, endereçado ao Departamento de Genética do Instituto de Biociências, campus de Rubião Jr., CEP 18618-689, Botucatu – SP (a/c da Profª Adriane Wasko); ou pelo e-mail: feriasnaunesp@gmail.com. Todas as solicitações serão, cuidadosamente, analisadas e os que forem contemplados serão contactados por telefone ou e-mail, em janeiro de 2019.

Sobre os Cursos de Férias

Os cursos integram o Programa de Extensão Universitária “Difundindo e Popularizando a Ciência na Unesp: Interação entre Pós-Graduação e Ensino Básico”. Eles tiveram início em 2007, junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Genética), do Instituto de Biociências.

Desde então eles têm se expandido a outros programas de pós-graduação da Unesp como os PG de Ciências Biológicas (Botânica) e Biologia Geral e Aplicada (ambos do IB), Doenças Tropicais (FMB) e Animais Selvagens (FMVZ). De lá para cá, mais de 1,5 mil estudantes de Ensino Médio foram beneficiados pela ação.

A iniciativa integra também a Rede Nacional de Educação e Ciência, proposta ainda na década de 80 pelo Prof. Leopoldo de Meis, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A ideia era a de buscar novos caminhos para a ciência do País, ao promover o contato mais próximo entre os ensinos Médio e Superior. O grande objetivo era tornar a educação científica ainda melhor, formar profissionais mais qualificados e reduzir a desigualdade social no processo de ingresso à universidade.