Cientistas da Unesp discutem envelhecimento da população

Geral
Cientistas da Unesp discutem envelhecimento da população 28 novembro 2011

Nos dias 25 e 26 de novembro, a Faculdade de Medicina (FM), Câmpus de Botucatu, sediou o 1º Workshop Internacional sobre Envelhecimento. O evento, voltado ao público acadêmico e a profissionais de saúde, é uma iniciativa do Instituto de Estudos Brasil-Europa (IBE), do qual a Unesp faz parte.

Após traçar um histórico sobre a participação da Unesp nas atividades promovidas pelo Instituto, a pró-reitora de Pesquisa, Maria José Soares Mendes Giannini, destacou que essa oportunidade será importante para o processo de internacionalização vivido pela Universidade. “Estamos caminhando para ter uma população envelhecida, por isso nós, cientistas, temos que mostrar para a sociedade de que forma podemos colaborar”, comentou.

O coordenador Geral do IBE na Universidade, professor Nelson Ramos Stradiotto, disse que o IBE tem objetivos bem definidos e ambiciosos. “Esperamos uma participação integral da comunidade unespiana para que alcancemos as metas”, colocou.

{n}Milhões de centenários{/n}

Houve palestras com especialistas nacionais e internacionais de diversas instituições de ensino e pesquisa. A primeira apresentação foi a do professor Paulo José Fortes Villas Boas, da FM, que falou sobre o “crescimento da população idosa no mundo”. O acadêmico disse que o aumento do número de pessoas com mais de 60 anos já é mais intenso do que o das demais faixas etárias.

“Até 2050 espera-se que haja mais de 3 milhões de pessoas com mais de 100 anos de idade no mundo. Elas viverão principalmente no Japão, Estados Unidos e China”, projetou, comentando que as principais causas de morte, em ordem decrescente, serão doenças do coração, câncer e Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Em seguida foi a vez da professora Tânia Ruiz, também da FM. Sua palestra teve como tema a “satisfação com a vida na velhice: vivendo a vida conforme os próprios valores”. A especialista apresentou uma pesquisa desenvolvida de 2000 a 2004 com idosos de duas cidades do interior do Estado de São Paulo – Alambarí e Botucatu. Os resultados mostraram que a maioria estava satisfeita, já que viviam como de fato gostariam.

Encerrando o ciclo da manhã, a professora Maria Lúcia Lebrão, da Faculdade de Saúde Pública da USP escolheu o tema “Epidemiologia do Envelhecimento: Estudo Sabe (Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento)”. A convidada chamou atenção para a necessidade de os estudos, a partir de agora, considerarem a questão da fragilidade e incapacidade funcional dos idosos.

{n}Alzheimer{/n}

No sábado (26), a palestrante Marzia Perluigi, da Universidade de Roma, apresentou seus estudos sobre “Uma visão proteônica redox do cérebro: estresse oxidativo e doença de Alzheimer”. “Esse estresse oxidativo é uma modificação irreversível, que causa a neurodegeneração do cérebro no idoso”, explicou Perluigi durante a palestra.

O professor da USP Julio Cesar Moriguti descreveu os tratamentos terapêuticos e suas perspectivas sobre a doença de Alzheimer. “Alterar o curso dessa doença trará grande impacto na saúde pública, pois gerará economia de recursos e maior qualidade de vida ? população. Ter atividade física regular e uma vida social ativa pode prevenir o Alzheimer”, enfatizou.

{n}Terapias diferenciadas{/n}

Os estudos referentes ao metabolismo da estrutura óssea e ao processo de envelhecimento foram debatidos pela professora da Faculdade de Odontologia da Unesp, Câmpus de Araçatuba. Durante a explanação, a especialista frisou pesquisas realizadas pela unidade em relação ? estrutura óssea nas diversas fases da vida. “Conforme o corpo envelhece, há uma mudança da matriz óssea que se torna mais frágil”, disse. A partir dessa constatação, foi analisado o uso de terapias farmacológicas associadas a atividades físicas em lesões nas estruturas ósseas.

Encerrando o workshop, Erika da Silveira, professora da Universidade Federal de Goiás, sintetizou os avanços na avaliação nutricional do idoso. Conforme ressaltou, o descuido na alimentação é um facilitador no desenvolvimento de problemas crônicos, como a incidência de gordura, diabetes e problemas cardiovasculares.

Para ela, é necessário o desenvolvimento de protocolos específicos nas áreas médicas e nutricionais para esse público. “O idoso ainda é tratado com as mesmas terapias de adultos. Essas pessoas se diferem tanto biologicamente quanto fisiologicamente”, frisou.

Compartilhe esta notícia
Oferecimento
FREIRE MOTOS
BERIMBAU INST DESK
Oferecimento

Veja também

Oferecimento
VISTORI
SHOPPING INSTITUCIONAL
INSTITUCIONAL ELO
EXAME TOXICOLOGICO