Cetesb faz autuações por fumaça preta em rodovia de Botucatu

Nesta terça-feira (10), durante segundo megacomando realizado pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) em 42 trechos de rodovias estaduais e avenidas da capital, 1.137 veículos a diesel que trafegavam emitindo fumaça preta acima dos limites permitidos pela legislação foram autuados. Na região, em dois pontos de fiscalização, em Pederneiras e em Botucatu, foram feitas 64 autuações.

No total, 75.321 veículos passaram pelos pontos de fiscalização montados pela Agência Ambiental em todo o estado. Na região, foram analisados 1.060 veículos que trafegavam pela rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-225), a Bauru-Jaú, no km 223, em Pederneiras; e outros 1.154 que transitavam pela rodovia Marechal Rondon (SP-300), no km 252, sentido interior, em Botucatu. Em Pederneiras, foram 31 autuações e, em Botucatu, 33.

A ação integra a Operação Inverno 2021 e objetiva melhorar a qualidade do ar e evitar episódios críticos de poluição. Para a medição da emissão, é utilizada a Escala de Ringelmann, uma forma gráfica para avaliação colorimétrica visual, e caminhões que emitem fumaça preta acima de padrões legais são autuados. “A multa é de 60 UFESPs, equivalente em 2021 a R$ 1.745,40”, diz Vanderlei Borsari, gerente da Divisão de Emissões Veiculares da Cetesb.

O diretor de Engenharia e Qualidade Ambiental do órgão, Carlos Robertos dos Santos, lembra que a ação é realizada pela Companhia desde 1976, há 45 anos, e conta que, de lá pra cá, houve evolução na tecnologia de motores em função das exigências estabelecidas pelo Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve). “A inovação tecnológica evoluiu, o que colabora para níveis mais baixos de emissão”, afirma.

Como incentivo à manutenção dos veículos, é oferecida a possibilidade de reduzir em 70% o valor da multa, desde que o veículo não tenha sido autuado nos doze meses anteriores. Para receber o desconto, o dono deve apresentar a solicitação, em até 60 dias após a notificação, e comprovar a regularização do motor por intermédio do Relatório de Emissão de Opacidade (RMO), emitido por uma empresa pertencente à rede de unidades credenciadas pela Cetesb.

Fonte: JCNet