CEO da Uber encontra presidente da Embraer para discutir projeto de veículo elétrico voador

 

Pouco antes de finalizar as certificações iniciais do KC-390, a Embraer declarou na divulgação dos resultados financeiros do 3º trimestre deste ano que já está avançando com a produção em série de três aviões da linha KC-390, os S/N 003, 004 e 005. As peças de outros dois aviões de série estão sendo fabricadas neste momento.

Os KC-390 de série são as aeronaves destinadas para o Governo Brasileiro, e futuramente também para os outros clientes, como o Governo de Portugal, que neste ano comprou 5 aviões deste tipo.

A Embraer também aproveitou para ressaltar que os dois protótipos de testes já completaram 1350 horas de voo, e já fizeram testes de atividades militares recentemente, como o lançamento de paraquedistas em altitude elevada pela porta traseira, além de usar equipamentos de visão noturna.

O KC-390 é uma aeronave de transporte tático desenvolvida para estabelecer novos padrões na sua categoria, apresentando ao mesmo tempo o menor custo do ciclo de vida do mercado. É capaz de realizar diversas missões, como transporte de carga, tropa ou paraquedistas, reabastecimento aéreo, além de apoio a missões humanitárias, busca e resgate, evacuação médica e combate aéreo a incêndios.

O KC-390 transporta até 26 toneladas de carga a uma velocidade máxima de 470 nós (870 km/h), com capacidade para operar em ambientes hostis, incluindo pistas não-preparadas ou danificadas.

Trata-se de um projeto da Força Aérea Brasileira (FAB) que, em 2009, contratou a Embraer para realizar o desenvolvimento da aeronave. De acordo com a Embraer, a campanha de testes do KC-390 está avançando de forma extremamente satisfatória, atendendo todos os requisitos da aeronave e validando os objetivos de desempenho e capacidade previstos por meio do uso de avançadas ferramentas de engenharia.

A Capacidade Operacional Inicial deve ser atingida até o final deste ano e as entregas estão programadas para começar no primeiro semestre de 2018.

Dara Khosrowshahi esteve no Brasil pela primeira vez na terça-feira (31), dia em que aconteceu a votação no Senado sobre o projeto que regulamenta os aplicativos de transporte. Além de se reunir com senadores e governantes, ele fez uma visita institucional ao presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, no escritório em São Paulo, onde conversou, entre outros temas, sobre o Uber Elevate Network, uma espécie de helicóptero elétrico voador que decola e pousa na vertical que está sendo desenvolvido em parceria com a fabricante brasileira de aviões.

A ideia é que os veículos elétricos voadores façam deslocamentos urbanos curtos. Eles teriam capacidade para diminuir o tempo de deslocamento do distrito de Marina, em São Francisco, a São José, na Califórnia, de duas horas para 15 minutos. Além disso, serão movidos à energia, o que diminuira a emissão de poluentes. A expetativa é deixar o modelo pronto para testes em 2020 e começar a usá-los comercialmente em 2023.

A Embraer vai ajudar no desenvolvimento da aeronave, na fabricação e ficar responsável pela manutenção. Já a Uber ficará responsável por desenvolver a plataforma de pedidos de corridas para a aeronave.

O projeto está sendo feito no Centro de Inovação de Negócios da Embraer, com sede na Flórida, nos Estados Unidos, e envolve pesquisadores da Uber do Vale do Silício e de Boston. As empresas Aurora Flight Sciences, Pipistrel Aircraft, Mooney International e Bell Helicopter Textron também são parceiros do projeto.

Fonte: Gazeta do Povo