Butantan paralisa temporariamente o envase da CoronaVac por falta de insumos

O Instituto Butantan confirmou, na noite desta quarta-feira (7), que o envase da vacina CoronaVac está temporariamente paralisado por falta de matéria-prima. Porém, não haveria motivo para grandes preocupações, pois tudo não passa de um contratempo que — de acordo com o próprio órgão — não deve afetar em nada o cronograma atual de vacinação. Dimas Covas, presidente da corporação, garantiu que os prazos de entrega ao Ministério da Saúde serão mantidos.

O que ocorreu foi o seguinte: o Butantan deveria receber, entre esta quinta (8) e sexta-feira (9), um total de seis mil litros do chamado Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) da empresa chinesa Sinovac. É com base em tal material que o instituto realiza o envase, a finalização e a distribuição do imunizante. Porém, devido a problemas no embarque desses insumos, eles devem aterrissar em solo brasileiro só na semana que vem — sendo mais específicos, na outra quinta-feira (dia 15).

Felizmente, ainda há 2,5 milhões de doses prontas que serão o suficiente para garantir o fornecimento durante tal prazo. ”Todas as doses provenientes do IFA recebido da China já foram envasadas. Neste momento, cerca de 2,5 milhões de vacinas encontram-se em processo de inspeção de controle de qualidade — parte integrante do processo produtivo — para serem entregues na semana que vem ao Programa Nacional de Imunizações. Desde janeiro o Butantan já entregou 38,2 milhões de doses da vacina ao país”, explica o órgão.

Dimas também tranquilizou a população e descartou qualquer problema na parceria entre o Butantan e a Sinovac. “A matéria-prima está pronta para o embarque na China, houve um problema no embarque. Não há anormalidade. Não há retenção de vacina da China. Não há nenhum ruído de comunicação entre o Brasil e a China nem entre o Butantan e a Sinovac”, explicou. “Não vamos conseguir neste momento fazer o adiantamento, porque precisaria de mais IFA. Só vamos conseguir a partir de maio”.

Fonte: Canaltech