Botucatuense apresenta Projeto de Iniciação Científica em congresso no Chile

Botucatuense Felipe Miranda durante participação no CLAGTEE 2019 (Foto arquivo pessoal)

 

Os alunos Henrique Rachid e Felipe Miranda Alves publicaram os resultados de seus projetos de Iniciação Científica no XIII Latin-American Congress on Electricity Generation and Transmission (CLAGTEE 2019), realizado entre os dias 20 e 23 de outubro, em Santiago, no Chile. Ambos são estudantes do curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia de Bauru da Unesp. Os alunos foram orientados pelo professor Renato Crivellari Creppe.

O evento é uma reunião de esforços da Unesp, Pontificia Universidad Catolica de Valparaiso, no Chile, e a Universidad Nacional de Mar del Plata, da Argentina, no sentido de criar um fórum que permita uma troca de experiências sobre a metodologia de análise de operação, planejamento e introdução de novas tecnologias que possam contribuir para a melhoria dos sistemas de geração e transmissão de energia elétrica.

O projeto desenvolvido pelos alunos trata do estudo do Motor de Indução Linear Plano de Duplo Indutor, dispositivos que permitem a produção de movimento de translação sem a necessidade de conversores que diminuem o rendimento do sistema, aumentam a manutenção, o volume e os ruídos mecânicos.

“A relevância deste estudo vem do fato de que essa máquina permite a produção direta  de movimento de translação, ou seja, ela não necessita do acoplamento de complexos mecanismos, compostos por engrenagens e cremalheiras, para produzir um movimento linear”, explica Felipe Miranda, responsável pela apresentação do projeto no Chile.

“O trabalho permitiu estudar o comportamento operacional de um motor elétrico linear, analisando seus parâmetros e desempenho em diversas condições de operação, bem como realizar um estudo teórico sobre seu funcionamento e principais aplicações”, aponta Henrique Rachid, que teve apoio da Fapesp para o desenvolvimento do projeto.

Os alunos destacam que modelo desenvolvido por eles apresentou resultados promissores, pois os dados obtidos nas simulações tiveram uma margem de erro pequena em relação aos dados medidos em laboratório.

Para os alunos, o desenvolvimento de um projeto de Iniciação Científica foi uma forma de incrementar o aprendizado em sala de aula. “Eu senti a necessidade de realizar algo fora da sala de aula, no qual eu pudesse me desafiar a colocar em prática os conceitos teóricos aprendidos nas aulas e agregá-los a outros conhecimentos”, explica Miranda.

Para Rachid, o interesse na área de máquinas elétricas e a proposta de explorar este assunto sob a perspectiva teórica que envolvesse a leitura das principais bibliografias ou ensaios em laboratório foi a principal motivação para se engajar na Iniciação Científica. “Este foi um projeto em que pude, de fato, aprender o conteúdo na teoria e na prática”, destaca.

O aluno de Bauru entende que a iniciação científica é uma excelente atividade extracurricular, permitindo ao aluno o contato com temas relevantes. “Não obstante, temos também a chance de publicarmos os resultados e andamento do projeto em artigos e congressos nacionais e internacionais, trocando experiências com outros pesquisadores”, destaca.

Para Miranda, apresentar os resultados do projeto em um evento internacional foi uma experiência extremamente proveitosa proporcionada pela iniciação científica. “No Chile, eu pude ficar por dentro do conteúdo que está sendo produzido por diversas universidades, e pude levar, com muito orgulho, o nome da Unesp de Bauru para este evento”, afirma.

Fonte: Unesp