Botucatu tem saldo negativo de 1,2 mil postos de trabalho nos dois primeiros meses da pandemia

Os reflexos da economia já são flagrantes em Botucatu desde o início da pandemia do novo coronavírus. Números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta sexta-feira, 29, mostram que nos meses de março e abril a cidade de Botucatu teve um saldo negativo na relação demissões/admissões.

A situação preocupante, claro, e no país como um todo. Em março foram 1237 admissões, contra 1942 demissões, ou seja, um saldo negativo de 705 postos de trabalho. Em abril, foram 674 admissões, contra 1185 desligamentos, com um saldo negativo de 511.

Veja gráfico abaixo

No acumulado, são 1216 postos de trabalho a menos em Botucatu durante os dois primeiros meses de pandemia. O número pode ser ainda maior, com cortes que não foram computados pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, com base em dados divulgados pelas empresas.

Pela estatística oficial, os setores que tiveram o pior saldo em março foram: Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aquicultura, com saldo negativo de 578; Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas, com saldo negativo de 51 postos.

Em abril o pior desempenho foi em Atividades Administrativas e Serviços Complementares, com 144 desligamentos, seguido por Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas, com saldo negativo de 172 vagas.

Veja abaixo os setores detalhados no mês de março:

Veja abaixo os setores detalhados no mês de abril:

Nos dois primeiros meses do ano Botucatu teve um saldo positivo em vagas de emprego, mas a pandemia quebrou essa estabilidade. O desempenho turbulento em Botucatu e região já era imaginado, e anda ao lado de uma tendência nacional. No Brasil, foi contabilizada a extinção de 860,5 mil vagas, sendo 260,9 mil somente no Estado de São Paulo.

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 12,6% no trimestre encerrado em abril, atingindo 12,8 milhões de pessoas e com um fechamento de quase 5 milhões de postos de trabalho em relação ao trimestre anterior.